Caso em Famalicão: Liga emite nota após reunião com os diretores de segurança dos clubes

Caso em Famalicão: Liga emite nota após reunião com os diretores de segurança dos clubes
Redação com Lusa

Liga informa os diretores de segurança dos clubes a respeito das orientações para o acesso a estádios.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) reuniu, esta sexta-feira, com diretores de segurança dos clubes de I e II Ligas, para reforçar orientações sobre o acesso e permanência nos estádios.

"A LPFP e os diretores de segurança dos clubes do futebol profissional reuniram-se hoje, através de videoconferência, para debaterem vários assuntos da atualidade, entre os quais a nota informativa da Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto (APCVD), lançada esta semana", pode ler-se em comunicado da organização.

Segundo a Liga, o acesso e permanência nos estádios por parte de adeptos, da casa ou visitantes, fazem parte de questões de segurança que "serão abordadas e aprofundadas nos contactos regulares com a APCVD e com as forças de segurança".

Este reforço abre caminho a que "possam ser melhoradas as orientações referentes ao acesso e permanência de adeptos nos estádios", com as sociedades desportivas a "tomarem boa nota" da orientação, para que possam "adaptá-la à realidade de cada clube", mediante uma avaliação de risco para cada situação.

Além dos contactos, o tema "será aprofundado" pelo grupo de trabalho de prevenção e segurança em sede da LPFP.

Na terça-feira, a APCVD considerou que os promotores de espetáculos devem zelar pela segurança dos adeptos, e que o acesso aos recintos não pode estar condicionado ao uso de determinadas peças de vestuário.

"Devem os promotores dos espetáculos desportivos zelar pela compatibilização e equilíbrio das componentes "Segurança", "Proteção" e "Serviços", bem como pela facilitação de adequadas condições de hospitalidade e fruição do espetáculo desportivo no acolhimento dos adeptos visitados/locais e visitantes", escreveu aquela autoridade numa nota informativa.

Poucos dias depois de uma criança ter sido obrigada a despir uma camisola do Benfica, no estádio Municipal de Famalicão, a APCVD refere que "o mero envergamento de peças de vestuário, que se sublinha terem natureza diferente de meros adereços, e desde que não contenham símbolos, sinais ou mensagens ofensivas, violentas, intolerantes, de caráter racista ou xenófobo, não deverá ser condicionante ao acesso e permanência dos seus portadores".

"De igual forma, não se considera que a sua remoção seja, por si, suficiente para garantir a segurança dos adeptos visados", acrescenta o organismo, numa aparente reação ao facto de a criança ter sido obrigada a assistir ao Famalicão-Benfica, da I Liga, em tronco nu.

O incidente, ocorrido no sábado, foi repudiado pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, e também por Pedro Proença, presidente da LPFP.