As vitórias ajudam mesmo o PIB

Paulo Anunciação

O exemplo chega da Turquia onde um estudo feito por dois economistas afiança que a produtividade do país aumenta quando o Fenerbahçe vence.

Em 2006, os economistas turcos Hakan Berument e Eray M. Yucel, da Universidade Bilkent, publicaram um estudo sobre a ligação entre a produção industrial na Turquia e as vitórias do Fenerbahçe. Os autores demonstram, ao longo de 20 páginas repletas de cálculos estatísticos e modelos matemáticos, que existe um "elo psicológico/social entre o sucesso de um clube grande do futebol turco e o desempenho dos trabalhadores do sector secundário".

Os êxitos do Fenerbahçe nas provas europeias têm repercussões imediatas ao nível da autoestima e do moral dos trabalhadores. Este aumento da disposição geral dos operários traduz-se, por sua vez, num aumento significativo da produtividade. Berument e Yucel estimam que as vitórias europeias do clube mais popular da Turquia em determinado mês originam um aumento de 0,26% da taxa de crescimento industrial mensal do país. O incremento da taxa é proporcional ao número de vitórias do Fenerbahçe.

Os dois investigadores observaram resultados similares relativamente às vitórias europeias dos outros clubes grandes da Turquia, Galatasaray e Besiktas. Ainda segundo Berument e Yucel, as vitórias nas provas nacionais não têm efeitos estatisticamente relevantes na performance industrial. Os economistas explicam este fenómeno com o facto de a vitória de um clube (o Fenerbahçe, por exemplo) ter efeitos negativos na disposição e na produtividade dos adeptos do grande clube rival (o Galatasaray).

O impacto negativo num largo sector dos adeptos anula, de certa forma, o aumento do moral e da produtividade sentido no sector vencedor. Esse efeito negativo não se verifica quando se trata de vitórias em provas europeias. "Nesses jogos está em causa o orgulho nacional e existe maior identificação e solidariedade", escrevem Berument e Yucel.

Paulo Anunciação escreve n'O JOGO de terça-feira a sábado