A filha de Inácio, Estrela Costa e Lito entre os mais de 100 credores da SAD do Aves

A filha de Inácio, Estrela Costa e Lito entre os mais de 100 credores da SAD do Aves
João Maia

A viabilização do PER permitiu à sociedade inscrever-se no CdP. Entretanto, o clube, que já anunciara a rotura total com a SAD, inscreveu uma equipa na II Divisão da AF Porto.

O Processo Especial de Revitalização da SAD do Aves apresenta uma lista provisória de 110 credores, num total de 17.123.051,31 milhões de euros reclamados. Na lista de credores, que pode ser consultada no portal Citius, estão 38 jogadores, entre atletas da temporada passada, entre os quais Afonso Figueiredo, Kevin Yamga, Welinton Júnior, Mato Milos, e de outras épocas, como Vítor Gomes, Artur Moraes, Rodrigo Soares ou Carlos Ponck, bem como diversos funcionários, desde diretores de comunicação, técnicos de equipamentos, administrativos, entre outros, treinadores (Lito Vidigal e Nuno Manta), adjuntos, intermediários, empresários e empresas de vários ramos.

Curiosamente, o credor que reclama o valor mais alto é a Galaxy Believers, empresa que detém a maioria do capital da sociedade que apresentou uma verba de 4 645 033 milhões de euros a receber. Além do mais, Estrela Costa, acionista da Galaxy encarregue pela gestão do futebol profissional da SAD, também consta na lista de credores em mais de 153 mil euros por "adiantamento de despesas".

A Autoridade Tributária reclama 2.558.112,76 milhões de euros e o Instituto de Segurança Social 567 217,02 mil euros. Contas feitas, o Estado é credor do Aves em mais de três milhões de euros.

Lito Vidigal, que orientou o Aves durante parte da época 2017/18, reclama 341 347,89 euros e Nuno Manta 524 923,70. Nos jogadores destacam-se Mato Milos, lateral-direito credor em mais de 739 mil euros e o extremo Kevin Yamga (634 mil euros).

O CD Aves (clube) é credor em 837 537 mil euros por "Cedência temporária de ativos, despesas com jogos de juniores/sub23/futsal, Fundo de Solidariedade da UEFA e despesas com os dois últimos jogos [da I Liga]" e Afonso Figueiredo, capitão dos avenses em 2019/20 tem a receber 259 926 mil euros. Na extensa lista de credores encontra-se, por exemplo, Tânia Inácio, filha de Augusto Inácio, que orientou o Aves durante parte da época passada e desta temporada, que reclama 8 043 euros. A filha do técnico era funcionária da SAD.
A SAD do Aves falhou a inscrição nas competições profissionais, por não ter cumprido com os pressupostos financeiros, tendo sido despromovida ao Campeonato de Portugal.

A viabilização do PER permitiu à sociedade inscrever-se no CdP. Entretanto, o clube, que já anunciara a rotura total com a SAD, inscreveu uma equipa na II Divisão da AF Porto.