Ricardo Sousa: "Uma saída agridoce, mas respeitamos a decisão de quem manda"

Ricardo Sousa: "Uma saída agridoce, mas respeitamos a decisão de quem manda"

Técnico deixa uma mensagem após a saída do comando técnico do Beira-Mar.

Ricardo Sousa deixou o comando técnico do Beira-Mar e deixou uma mensagem de despedida a um clube que lhe diz muito.

"Um ciclo bonito que depois de época e meia de muito trabalho, persistência, resiliência, esforço e dedicação se encerra. Apesar das dificuldades encontradas desde o primeiro dia na reaproximação do clube ao profissionalismo, tudo fizemos para evolução deste enorme clube. Sabíamos que não ia ser fácil, mas pela ligação e proximidade ao clube e à cidade, nunca nos vergámos e demos o melhor que podíamos oferecer.", vincou.

"Nesta temporada atípica, as dificuldades começaram desde cedo, construção de plantel, condições de treino, constantes alterações de locais de treino, onde a estabilidade era muitas vezes posta em causa.
Mesmo com tudo isto e com um dos três orçamentos mais baixo da nossa série, não nos negámos a assumir a expectativa de ficar entre os cinco primeiros, objetivo esse que continuava bem patente no seio do grupo, até porque com um jogo em atraso estávamos a três pontos do quinto classificado, que nos dava acesso ao objetivo proposto. É uma saída agridoce porque acreditávamos que íamos atingir o objetivo até porque a faltar seis jogos para o fim, teríamos quatro em casa e dois fora, mas respeitamos a decisão de quem manda", prossegue Ricardo Sousa.

"Existe uma parte do meu ser que tem resistido às mudanças físicas e também psicológicas ao longo dos anos. Essa parte sagrada e impenetrável chama-se consciência tranquila e essa é extensível a todo o grupo de trabalho, no qual sempre confiei e confiarei e terei sempre um enorme orgulho. Especial agradecimento e gratidão aos jogadores pelo afinco e dedicação com que sempre me defenderam, obrigado por terem acreditado na minha ideia de jogo, no compromisso com qualidade e pelo espírito de sacrifício sempre mesclado com profissionalismo. Não esqueço as coisas boas nem as más que fizemos neste período, são números e esses estão disponíveis. Não podia acabar sem agradecer a todas as pessoas que me apoiaram e a todas as que não, pois todas elas contribuíram para o meu crescimento pessoal e profissional. O Sport Clube Beira-Mar foi é e sempre será o meu clube do coração, não será um adeus porque continuarei a torcer por vocês", conclui.

Ricardo Sousa, 42 anos, brilhou como jogador no Beira-Mar, tendo apontado o golo que deu a Taça de Portugal ao clube, em 1999. Como treinador, passou por Sanjoanense, Lusitano VRSA, Anadia e Felgueiras, antes de chegar ao Beira-Mar na passada época.