"Nunca pude ver o meu pai no Benfica, mas já lhe disse que me vai ver a jogar na Luz"

"Nunca pude ver o meu pai no Benfica, mas já lhe disse que me vai ver a jogar na Luz"

Lucas Cardoso, filho de Isaías, tem três golos esta época e o último contribuiu para a primeira vitória da equipa do União 1919 na Série C do Campeonato de Portugal. Pai é amigo e conselheiro na carreira.

Isaías deixou saudades na Luz pelos mais de 70 golos que marcou entre 1990 e 1995, mas o tempo do antigo avançado já lá vai e hoje em dia é um dos filhos, Lucas Cardoso, que se tem destacado no Campeonato de Portugal.

O "versátil médio", como o próprio se define, regressou esta época ao futebol luso para jogar no recém-promovido União 1919 e diante do Gouveia apontou o terceiro golo da época, que contribuiu para o primeiro triunfo do conjunto de Coimbra na série C. "Vínhamos a fazer bons jogos, mas faltava o resultado. Sabíamos que a vitória acabaria por aparecer", afirmou. "Objetivo? O plano passa por conseguirmos a permanência", sintetizou.

Lucas jogava no Cabofriense no ano anterior e foi com a ajuda de Isaías que voltou. "Eu e o meu pai entrámos em contacto com o presidente do União 1919. Já tinha vontade de regressar, gostámos da proposta, das metas do clube e então assinei", conta. O facto de ter crescido no meio do futebol colocou-o, inevitavelmente, a seguir as pisadas do pai. "Nasci no Brasil na altura em que o meu pai jogava no Coventry (Inglaterra). Comecei a jogar futebol desde que me lembro. Era difícil fugir desta realidade... nunca pude ver o meu pai jogar no Benfica, mas já lhe disse que um dia ainda me vai ver a jogar na Luz e no final poderemos abraçar-nos", remata.

Apesar da herança, Lucas não é, defende, um clone do pai em campo. "Ele era um falso nove. Eu sou um médio que pode fazer de trinco, de médio ofensivo, mas também consigo jogar a extremo, e tem sido nesta posição que tenho feito golos", resume. "Sonhos? Gostaria de chegar a um clube da I Liga, à seleção... mas também teria o maior gosto de jogar por Portugal, porque é um país pelo qual tenho o maior respeito", revela. Por agora, vai contando com o apoio incondicional do pai. "Chega a Portugal este mês, mas todos os domingos liga-me a perguntar se o jogo vai ter transmissão e falamos depois das partidas", conclui.

Irmão virou-se para o crossfit
Lucas Cardoso chegou pela primeira vez a Portugal em 2017. Na altura, mudou-se para o Alentejo, onde representou o Atlético Reguengos e passou, depois, pelo Juventude de Évora. "É uma zona calma, tranquila e, para mim, foi pacífico também", recorda. O irmão, Isaías Júnior, de 29 anos, também chegou a tentar a sorte no futebol, mas agora dedica-se a outra área. "Teve uma lesão grave num joelho e neste momento é profissional de crossfit", explica Lucas.