Lusitano de Évora queixa-se à FPF após os incidentes no jogo com o Amora

Lusitano de Évora queixa-se à FPF após os incidentes no jogo com o Amora

Vai apresentar uma exposição ao Conselho de Disciplina da FPF

O Lusitano de Évora vai apresentar uma exposição ao Conselho de Disciplina da FPF, após os incidentes registados sábado, em Évora, durante o jogo frente ao Amora. A equipa alentejana queixa-se de atos de racismo para com Mabuza. O lateral-direito sul-africano alegadamente terá sido vítima de atos racistas por parte da claque afeta ao clube da Margem Sul do Tejo. Os desacatos na bancada afeta ao Amora obrigaram mesmo os elementos da PSP a pedir reforços, sendo obrigados a intervir e a identificar vários adeptos, sem, no entanto, terem feito qualquer detenção, de acordo com fonte policial.

A partida entre Lusitano e Amora, ficou marcada pelos incidentes fora do relvado com desacatos a envolverem a claque do Amora. Quase no final da contenda, já em período de compensação, o juiz algarvio Carlos Cabral anulou um golo ao onze do Amora, que protestou e aqueceu ainda mais os adeptos amorenses que se viraram depois para o árbitro.

Por razões de segurança, a equipa de arbitragem só abandonou o recinto desportivo já depois das 19 horas, mais de duas horas após o final da partida, escoltada por um carro descaracterizado das forças de segurança.

Entretanto, o Lusitano de Évora deverá anunciar em breve o novo treinador depois da saída de Duarte Machado. No sábado foi o treinador adjunto Rafael Carvalho a orientar a equipa.