Real emite comunicado sobre situação do Casa Pia: "Não podemos aceitar"

Real emite comunicado sobre situação do Casa Pia: "Não podemos aceitar"

Em causa está o jogo entre o Casa Pia e o Olhanense, que foi interrompido aos 82 minutos.

Está instalada a polémica em redor do apuramento do Casa Pia para o play-off de acesso à II Liga. Esta quarta-feira, o Real Spor Clube emitiu um comunicado em que diz denuncia o que entende ser "uma ação de branqueamento do que se passou no jogo da 30ª jornada da Série D do Campeonato de Portugal", entre o Olhanense e o Casa Pia.

O encontro em questão terminou aos 81 minutos, na sequência de uma invasão de campo dos adeptos algarvios. O Casa Pia acabou por não voltar a entrar em campo, mesmo depois de a Federação ordenar o reatamento da partida no dia seguinte, uma segunda-feira.

"À hora marcada, compareceram no Estádio José Arcanjo as equipas do Olhanense e de arbitragem bem como as forças de segurança, não tendo comparecido o Casa Pia", refere o comunicado do Real, que cita os regulamentos:

"A falta de comparência é sancionada com uma derrota de acordo com artigo 68 do Regulamento de Disciplina (Falta de comparência a jogo oficial) que diz, concretamente: 1. O clube que não compareça a jogo regularmente marcado integrado em competição organizada pela FPF, ainda que se tenha deslocado ao recinto desportivo onde o mesmo se realizaria, é sancionado: a) Em competição, ou fase de competição, por pontos ou em competição de um só jogo, com derrota, com dedução de 3 a 5 pontos na tabela classificativa e, acessoriamente, com multa entre 10 e 20 UC. Ao arrepio do que está claramente regulamentado neste artigo, a FPF acabou por atribuir a vitória e os consequentes 3 pontos ao Casa Pia que não compareceu para jogar os minutos em falta, conforme tinha sido decidido pela própria Federação", aponta o comunicado do Real, que considera a decisão "inaceitável".

"Ao atribuir os 3 pontos ao Casa Pia, a FPF é responsável por uma decisão que prejudica quem compareceu no relvado. Esta decisão é inaceitável! Não podemos aceitar que se passe uma esponja por cima deste caso. Exigimos que seja reposta a verdade dos pontos!
Reafirmamos que estas decisões em nada contribuem para a justiça e verdade desportivas, pelo que devem ser assumidas todas as responsabilidades", conclui o Real, que terminou a Série D no terceiro lugar, com menos dois pontos do que o Casa Pia, ficando de fora do play-off de subida.

Leia o comunicado do Real na íntegra:

"O Real Sport Clube vem denunciar publicamente o que entende ser uma ação de branqueamento do que se passou no jogo da 30ª jornada da Série D do Campeonato de Portugal entre o SC Olhanense e o Casa Pia AC, jogo que não ficou concluído no dia 14 de Abril.

Interrompido aos 82 minutos por o árbitro ter considerado não haver condições para concluir a partida devido aos distúrbios, a FPF ordenou que o jogo fosse concluído na 2ª feira, dia 15.

À hora marcada, compareceram no Estádio José Arcanjo as equipas do SC Olhanense e de arbitragem bem como as forças de segurança, não tendo comparecido o Casa Pia AC.

A falta de comparência é sancionada com uma derrota de acordo com artigo 68 do Regulamento de Disciplina (Falta de comparência a jogo oficial) que diz, concretamente: 1. O clube que não compareça a jogo regularmente marcado integrado em competição organizada pela FPF, ainda que se tenha deslocado ao recinto desportivo onde o mesmo se realizaria, é sancionado: a) Em competição, ou fase de competição, por pontos ou em competição de um só jogo, com derrota, com dedução de 3 a 5 pontos na tabela classificativa e, acessoriamente, com multa entre 10 e 20 UC.

Ao arrepio do que está claramente regulamentado neste artigo, a FPF acabou por atribuir a vitória e os consequentes 3 pontos ao Casa Pia que não compareceu para jogar os minutos em falta, conforme tinha sido decidido pela própria Federação, de acordo nomeadamente com a nota informativa de nomeação dos árbitros, como se pode verificar.

Ao atribuir os 3 pontos ao Casa Pia, a FPF é responsável por uma decisão que prejudica quem compareceu no relvado. Esta decisão é inaceitável!

Não podemos aceitar que se passe uma esponja por cima deste caso. Exigimos que seja reposta a verdade dos pontos! Reafirmamos que estas decisões em nada contribuem para a justiça e verdade desportivas, pelo que devem ser assumidas todas as responsabilidades."