Leça: uma época tranquila e depois pensar noutros voos... com melhores condições

Leça: uma época tranquila e depois pensar noutros voos... com melhores condições
António S. Fonseca

Tópicos

Domingos Barros aponta a permanência como objetivo e garante que quando houver sustentação financeira, o clube poderá pensar na subida.

O Leça começa a época 2019/20 em Castro Daire, no próximo domingo, com um plantel com 15 caras novas, mas os pesos pesados da temporada passada continuam a vestir de verde e branco.

O objetivo é sustentar o clube nos campeonatos nacionais. "Falar de subida é muito complicado nesta fase e neste campeonato, que é formado por 72 equipas, sobem duas e seis disputam o play-off para a mesma subida. O objetivo é sustentar o clube nos campeonatos nacionais", garantiu o treinador. "O Leça precisa de uma reformulação em termos estruturais para depois lutar por outros voos, que é o que todos desejamos. Eu, como treinador, também tenho esse desejo, assim como o ser filho da terra e adepto do Leça. Mas primeiro temos de ter um Leça sustentável", avisou.

Sobre o plantel, Domingos Barros garante ter um bom grupo. "Foi escolhido pela equipa técnica, juntamente com a Direção. Mantivemos grande parte da base da época passada, sendo um grupo "sui generis" nesse sentido, pois muitos jogadores transitaram da época anterior. As contratações permitem-nos realizar uma época tranquila e sempre com a ambição de entrarmos em todos os jogos para vencer e dignificar o nome do Leça", garante.

O treinador leceiro acredita que, dentro de dois/três anos, o Leça poderá lutar pela subida. "Se remarmos todos para o mesmo lado e houver uma sustentação financeira, poderemos a breve trecho lutar pela subida de divisão. Todos sabemos que para subir, não é só a competência do treinador e jogadores que está em jogo. Há que contar com vários fatores, como condições de trabalho, bom campo, até as deslocações da equipa, e o Leça neste momento não tem essas condições que outros têm. Mas temos uma enorme capacidade humana, desde diretores a funcionários e jogadores, e é isso que nos distingue de outros clubes que têm esses meios", disse. E avisou: "Há clubes que, quando sobem, já têm montada uma estrutura financeira sustentada para se manterem. Hoje, muitos clubes nesta divisão são SAD e têm planos financeiros muito fortes, sendo, na sua maioria, emblemas que pertencem a capitais de concelho, enquanto nós pertencemos a uma freguesia", concluiu.