Direção do V. Setúbal revela valor da dívida da SAD

Direção do V. Setúbal revela valor da dívida da SAD

Executivo de Paulo Rodrigues, que poderá ser destituído em breve, pronunciou-se após receber o relatório com valores em falta no Processo Especial de Revitalização

A direção do V. Setúbal, liderada pelo presidente Paulo Rodrigues, revelou que a dívida da SAD sadina ronda os 35 milhões de euros, através de um comunicado publicado, esta terça-feira, no sítio oficial do clube na Internet.

"Recebemos um relatório, no dia 18 de outubro de 2020, com os valores em dívida do PER [Processo Especial de Revitalização] que mencionava o valor em 20,7 milhões de euros. Hoje temos informações de que a dívida da Vitória FC, SAD anda aproximadamente nos 35 milhões de euros", pode ler-se.

A direção sadina menciona o "negócio desastroso" de Hachadi, avançado que o Benfica terá financiado no verão de 2019, ao assinar, à revelia das regras da FIFA, um contrato ilegal de direito de preferência pelo mesmo, noticiou o Público, ao pagar 900 mil euros 11 dias antes da SAD sadina ter liquidado 800 mil euros pela aquisição do jogador.

"Em boa verdade, este pode ser encarado com um dos principais motivos que levaram o Vitória até muito perto do seu fim. Vejamos: 1.845.000€ SL Benfica - rescisão amigável; 800.000€ valor da transferência; 369.000€ Mundial Sports - empresa de agenciamento; 160.000€ salário do jogador na época 2019/20; 150.000€ prémio de assinatura para o jogador e 10.000€ rescisão amigável, representando um investimento total de 3.334.000€", divulgaram.

O comunicado da direção do V. Setúbal apontou a ausência de diálogo por parte do executivo municipal presidido por Maria das Dores Meira - recebeu "três pedidos de reuniões" -, que recentemente visitou o Estádio do Bonfim para se inteirar do estado do clube, lesado pela SAD "em mais de 8,5 milhões de euros".

"A senhora presidente sempre disse que tem a intenção de ajudar o Vitória FC, mas infelizmente até hoje não agendou nenhuma reunião de trabalho, não querendo saber nem nos permitindo apresentar as soluções que a direção tem para salvar e reerguer o Vitória. Não tendo havido até agora a necessária disponibilidade e vontade, ficamos todos os vitorianos expectantes sobre qual é a ajuda que a CMS quer efetivar. Hoje (ontem), enviámos uma carta à senhora presidente da Câmara, dando-lhe conta de uma série de ocorrências levadas a cabo no Vitória FC, identificadas pela direção, que lesam o Vitória em mais de 8,5 milhões de euros referentes à VFC- SAD", pode ler-se.

Por fim, o V. Setúbal remeteu críticas ao presidente da mesa da Assembleia-Geral do clube, Nuno Soares, que agendou, para a próxima sexta-feira, uma AG extraordinária com vista à destituição da direção liderada por Paulo Rodrigues.

"É triste e de lamentar quando um presidente MAG se rege por influências de outras pessoas que têm todo o interesse em prejudicar o Vitória e, principalmente, que não cumpre com os próprios estatutos como devia ser o seu dever e de todos os que este cargo ocupam. Lamentavelmente o senhor Nuno Soares a cada dia que passa, diz e faz uma coisa diferente consoante o objetivo que lhe interessa a ele e aos seus amigos próximos, fazendo do Vitória FC, um clube que nem os seus próprios estatutos respeita", criticaram.