"Cabe à SAD, à Liga ou à FPF encontrarem outra identidade para a equipa que joga no Jamor"

"Cabe à SAD, à Liga ou à FPF encontrarem outra identidade para a equipa que joga no Jamor"

Patrick Morais de Carvalho, presidente do Belenenses, diz que o clube vai vender os 10% que tem na SAD.

O presidente do Belenenses, Patrick Morais de Carvalho, revelou que o clube lisboeta vai vender brevemente os 10 por cento da participação social na SAD, após o litígio que levou o clube até aos campeonatos distritais de futebol de Lisboa.

"Vamos, muito em breve, vender os 10 por cento da participação social que ainda temos naquela sociedade comercial. Portanto, nada nos ligará àquela sociedade. Com a venda desses 10%, cabe à SAD, à Liga ou à FPF encontrarem outra identidade à equipa que joga no Jamor", anunciou.

Em declarações à Lusa no âmbito da celebração do centenário do Belenenses, Patrick Morais de Carvalho abordou a cisão com a SAD e criticou a atuação da sociedade desportiva, que acusa de "passar-se por aquilo que não é".

"Ninguém tem dúvidas de qual é o verdadeiro Belenenses, é aquele que joga no Restelo, com a cruz de Cristo ao peito. A única coisa que cedemos à SAD foi o direito desportivo de competir na I Liga, não cedemos a história nem os direitos sobre a nossa marca. Aquilo é uma empresa totalmente alheia ao clube, que não pode continuar a tentar passar-se por aquilo que não é", explicou.

Apesar de sentir mágoa por ver o Belenenses a comemorar 100 anos longe dos grandes palcos do futebol português, Patrick Morais de Carvalho não tem dúvidas que o forte apoio que os adeptos têm dado à equipa colocará o clube rapidamente nos campeonatos profissionais.

"Acreditamos que o clube voltará rapidamente ao mais alto nível. É impossível esta equipa chegar onde tem de chegar no mais curto espaço de tempo se não for levada ao colo pela massa associativa. O apoio tem sido extraordinário, temos sempre milhares de adeptos a assistir aos jogos do Belenenses", expressou.

O Belenenses conseguiu, na temporada passada, a subida à segunda divisão distrital de Lisboa, com o objetivo intacto de regressar aos campeonatos profissionais em cinco anos, o que colocará novamente o Belenenses na luta pela subida este ano, ambiciona o presidente.

"Subimos o ano passado, este ano acredito que vamos subir outra vez. Estamos a reunir condições para, em cada contexto, sermos competentes. Tenho poucas dúvidas que, no final, atingiremos os nossos objetivos. A nossa mentalidade é apenas ganhar", disse.

Para além do futuro futebolístico, Patrick Morais de Carvalho enumerou outros objetivos para o clube a curto prazo, que passam sobretudo pela requalificação do complexo desportivo do Restelo, que se encontra "muito deteriorado e obsoleto", e pela gestão financeira disciplinada.

"O Belenenses tem de conseguir fazer o maior pólo de desporto e lazer da zona ocidental de Lisboa, sob pena de ficar para trás, porque há muitos clubes a fazer academias e a apostar na formação. O Belenenses não pode nunca perder a cabeça e gastar mais do que aquilo que produz. A dívida está perfeitamente controlada. É preciso casar esta racionalidade financeira com a ambição desportiva", considerou.

O Belenenses, fundado em 23 de setembro de 1919, comemora 100 anos de existência na segunda-feira, numa data assinalada por cerimónias religiosas e homenagens a grandes figuras do clube, como Pepe, Matateu, Vicente Lucas e o plantel campeão nacional de futebol, em 1945/46.