Amarante em grande com Jorge Pinto ao leme: "Era difícil pedir um início melhor"

Amarante em grande com Jorge Pinto ao leme: "Era difícil pedir um início melhor"

Três vitórias em três jogos, sete golos marcados e nenhum sofrido pintam com cores garridas o arranque do treinador Jorge Pinto.

Três jogos, três vitórias, sete golos marcados e nenhum sofrido: estes são os números que contam o início da história de Jorge Pinto no comando do Amarante, que no fim de semana passado subiu à liderança da série B do Campeonato de Portugal, com os mesmos pontos do São Martinho (10). O treinador, 44 anos, substituiu Pedro Reis (um empate) no início da época e revela-se naturalmente satisfeito com o arranque. "Era muito difícil, se não impossível, pedir melhor. Estamos satisfeitos, no entanto temos que continuar o caminho porque não ganhámos nada", salienta, a O JOGO.

O mais recente triunfo foi alcançado na casa do Tirsense, que almeja subir à Liga 3. Ter aguentado a vantagem mínima (1-0) com dez jogadores durante mais de meia hora foi uma prova "do caráter" da equipa. "Somos muito solidários, competitivos e demonstrámos ser um grupo forte. Ainda para mais, a expulsão [de Drogba Camará] não me pareceu justa, o que indignou os meus jogadores de forma positiva", comentou.

No Tâmega também se pensa em passar, pelo menos, à fase de promoção, apesar de a concorrência ser feroz. "Os objetivos que me apresentaram quando me contactaram eram os que já estavam definidos, ou seja, ficar nos dois primeiros lugares. A competitividade desta série vê-se no número de equipas que podem chegar ao topo. Se calhar é o agrupamento com mais clubes que lutam por esse propósito", realçou.
Segue-se, domingo, um jogo grande, com o São Martinho, que não tem golos consentidos nos quatro encontros disputados. "O São Martinho não sofreu golos, mas nós somos o melhor ataque. Espero ter uma boa moldura humana no estádio", desejou o técnico, que divide o futebol com outra atividade. "Sou semiprofissional. Eu e a minha equipa técnica temos as nossas ambições e queremos fazer a nossa caminhada".