Sanjoanense ataca Liga 3: "Teremos maior responsabilidade e ambição"

Sanjoanense ataca Liga 3: "Teremos maior responsabilidade e ambição"
João Maia

SAD manteve o treinador Tiago Moutinho e a espinha dorsal do plantel. Técnico quer tirar partido do conhecimento do campeonato. Alvinegros estiveram às portas da fase de subida na época passada. Este ano, o objetivo será perseguido jogo a jogo com um plantel "equilibrado entre juventude e experiência", potenciando novos talentos.

A Sanjoanense manteve a espinha dorsal da época anterior para atacar a segunda edição da Liga 3. Tiago Moutinho, que substituiu Pedro Duarte no início de 2021/22, continua no comando técnico e encara esta estabilidade como uma "vantagem".

"Mantivemos muitos jogadores, mas também temos muitos atletas novos. Teremos maior responsabilidade, ambição e exigência. Para muitos é o segundo ano da Liga 3 e, como tal, temos de tirar vantagem desse fator. Ganhámos maturidade, experiência e conhecimento das exigências desta liga", reconhece.

No ano passado, os alvinegros ficaram às portas da fase de subida, objetivo que, todavia, não é assumido por Moutinho.

"Depois de uma excelente recuperação, não conseguimos, na última jornada, o acesso à fase de subida. Merecíamos mais. Aprendemos e retirámos o positivo desse período. O nosso pensamento e desejo é vencer o próximo jogo. Quem está na ADS tem de viver com a ambição e a mentalidade de ganhar! Se o fizermos, estaremos na fase de subida", observa.

No plantel há somente dois jogadores acima dos 30 anos, os avançados Rui Pedro e Joel Silva. A juventude é vista como o copo meio cheio. "Temos um plantel equilibrado entre juventude e experiência. Trabalhamos as competências sociais todos os dias e isso fará a diferença no final da temporada", comenta.

Quem saiu foi Aldair, lateral-direito vendido ao Ponferradina (Espanha) por 200 mil euros, com metade do passe a permanecer na posse da Sanjoanense. Venda que pode servir de inspiração para outros jovens. "Há uma aposta grande deste clube em detetar talentos em divisões inferiores e num processo de desenvolvimento de jovens para os colocar noutros patamares nacionais e internacionais", vincou.

Inserido na zona norte, o conjunto de São João da Madeira olha para uma série que recebeu um histórico (Varzim) e com vários candidatos à subida. "A Liga 3 foi muito competitiva em 2021/22. Este ano ainda será mais equilibrada", preconiza.