Foi campeão e não duvida: "A Liga Revelação é muito importante para o futebol nacional"

Foi campeão e não duvida: "A Liga Revelação é muito importante para o futebol nacional"
João Fernando Vieira

Tópicos

Tiago Nani, avançado de 24 anos, cresceu ao serviço do Aves, o primeiro campeão nacional sub-23, e realçou a importância da competição para o futuro dos jogadores mais jovens

Tiago Rocha Ferreira é o nome que consta no cartão de cidadão, mas é por Tiago Nani que responde desde muito cedo. A alcunha, conta a O JOGO, vem desde criança e tem o internacional português Nani como origem devido ao perfil idêntico no relvado. Tem 24 anos, é natural de Cascais e foi no Aves que passou anos gloriosos, sagrando-se campeão da Liga Revelação e da Taça Revelação. O cascalense não esquece a prova que o catapultou para outros patamares e sublinha a importância da mesma para os jogadores mais novos.

"A Liga Revelação é muito importante para o futebol nacional, porque a transição de júnior para sénior é bastante complicada. Ajuda a preparar os jovens jogadores para outros patamares e faz com que atletas talentosos não se percam", defende o avançado.

Tiago Nani mudou-se para o campeonato grego em 2019, depois de erguer pelo Aves os dois troféus de sub-23, e a aventura, feita sozinho, foi desafiante. Hoje veste a camisola do Kalamata, emblema que atua no segundo escalão grego. A adaptação a uma nova realidade foi rápida, mas nem tudo são rosas no futebol grego.

"Aterrei numa realidade diferente e acabei por adaptar-me bem. Estava consciente das dificuldades, mas surgiu tudo com naturalidade", recorda, apontando "a xenofobia, por parte de algumas pessoas", como lado negativo desta experiência. "O preconceito não me desvia do meu foco. Subi duas vezes de divisão e conquistei a Taça da Ilha", frisa. Representar "um grande clube europeu" é um dos sonhos de Tiago, mas, para já, "o foco é fazer o máximo de jogos aqui e dar o meu contributo com golos e assistências".

Tal como o nome da competição sugere, a Liga Revelação tem sido um autêntico viveiro. Tiago Nani saltou do escalão sub-23 para a segunda liga grega e aponta alguns nomes da mais recente edição que têm tudo para dar o salto para outro patamar. "Destaco o Francisco Mascarenhas, do Portimonense, o Duarte Carvalho e o Gilson Tavares, do Estoril. Para mim, foram os jogadores que deram mais nas vistas e que estão perto de outro patamar. São geniais", avalia.

Antes de se mudar para a Grécia, Nani passou duas temporadas no emblema da Vila das Aves e conta a O JOGO os momentos mais marcantes que passou no clube . "Melhor não podia pedir. Cheguei ao Aves no último ano de júnior, subimos à primeira divisão nacional e conquistei o troféu de melhor jogador. Só tenho a dizer que foram tempos excecionais. Os melhores momentos foram todos os obstáculos que ultrapassámos para entrar na história da Liga Revelação, pois vencemos a primeira edição. O pior momento foi a saída do míster Filipe Rocha Filó. Ele deu-me muito e cresci bastante com ele", conclui .