Covilhã começou a pré-época com Daúto Faquirá ao leme

Covilhã começou a pré-época com Daúto Faquirá ao leme
Redação com Lusa

Tópicos

Os serranos entram de imediato em estágio, nas Penhas da Saúde, e vão ficar isolados, a trabalhar com um número reduzido de pessoas

O Covilhã iniciou esta segunda-feira a pré-época, embora ainda sem trabalho no relvado, enquanto os jogadores do emblema da II Liga não forem testados à covid-19.

O grupo, às ordens de Daúto Faquirá, juntou-se às 16h00 no Estádio Santos Pinto, para a apresentação, fechada à comunicação social e sem declarações à imprensa.

Os serranos entram de imediato em estágio, nas Penhas da Saúde, e vão ficar isolados, a trabalhar com um número reduzido de pessoas, segundo informou o presidente, José Mendes, na Assembleia-Geral realizada na quarta-feira.

Nos primeiros dias de preparação física estão previstos treinos individuais e só quando todos os jogadores tiverem os resultados do teste ao novo coronavírus se vão equacionar os treinos conjuntos, frisou José Mendes.

Até ao momento, os serranos divulgaram as contratações do lateral esquerdo David Santos (ex-Canelas), do médio centro João Cardoso (ex-Estoril Praia), do extremo Jaiminho (ex-Rio Ave) e do avançado Leo Cá (ex-Lourosa), reforços para a temporada 2020-2021 todos provenientes do Campeonato de Portugal, o terceiro escalão do futebol nacional.

José Mendes revelou ainda que o plantel vai ser reforçado com dois jogadores brasileiros, um proveniente do Gana e outro da Costa do Marfim, mas que devido à pandemia, e às restrições impostas à circulação entre países, não podem de momento viajar para Portugal.

No plantel continuam Igor Araújo, Bruno Bolas, Tiago Moreira, Joel Vital, Jaime Simões, Brendon (emprestado pelo Portimonense), Gilberto Silva, Filipe Cardoso, Gui Inters, Daffé e Inusah.

Deixaram de representar os "leões da serra" Carlos Henriques, Zarabi, Daniel Martins, Agostinho Soares, Jean Batista, Guilherme Rodrigues, Rodrigo António, Leandro Pimenta, Mica Silva, Rodrigo Martins e Bonani. Segundo o presidente, o clube tem uma proposta em cima da mesa por Kukula, que também pode estar de saída.

O Sporting da Covilhã tem para a próxima época um orçamento a rondar os 850 mil euros, um valor baixo quando comparado com o da maioria das equipas da II Liga, realça José Mendes, que sublinha ter de ser rigoroso na gestão, mas ter ambição.

"Os nossos argumentos financeiros não são os mesmos de outros clubes, nós não temos milhões, mas o Sporting da Covilhã faz sempre uma equipa para tentar subir de divisão", referiu na última Assembleia-Geral o presidente, que considera o clube "sempre um "outsider"".

De acordo com o dirigente serrano, não estão agendados jogos de preparação, por neste momento não estarem autorizados.