Sérgio Machado: de herói ao inferno em dez jogos no Trofense

Sérgio Machado: de herói ao inferno em dez jogos no Trofense

O treinador orientou a equipa nas últimas quatro jornadas da época passada, fez o pleno de vitórias e garantiu a permanência, mas ao cabo de seis jogos na atual campanha acabou dispensado

Sérgio Machado deixou o Trofense depois de concluídas as seis primeiras jornadas, com o registo de uma vitória, um empate e quatro derrotas. Dez jogos depois de ter sido contratado para tentar livrar o clube da despromoção nas últimas quatro jornadas da época passada, desafio que superou com um pleno de vitórias, o técnico foi agora dispensado. Uma ascensão ao céu e uma descida ao inferno numa dezena de jogos. "Quando cheguei encontrei um grupo de jogadores mais experientes, inteligentes e multifacetados, de cujas caraterísticas procurei tirar rendimento mas eles também assimilaram com facilidade as minhas ideias e as coisas aconteceram com naturalidade", sustentou o técnico, acrescentando que quando foi "convidado a renovar" aceitou porque sentiu "que a estrutura confiava" nele: "Estava confortável pelo sucesso anterior e também por consideração a quem me tinha dado a oportunidade de treinar o Trofense, na II Liga".

Sérgio Machado recusa justificações para este início de época de menor fulgor, mas mesmo assim deixou o clube a apenas a três pontos da parte de cima da classificação, depois da saída de cerca de uma dezena de jogadores influentes, alguns dos quais no mercado. "Tentamos manter uma base e contratar alternativas aos que saíram, mas ao baixarmos o orçamento sabíamos que iríamos sentir muitas dificuldades para contratar os jogadores que queríamos. E quando conseguimos efetivar as contratações, quase todas de jovens, com alguns a chegar em cima do campeonato, havia uma necessidade de tempo e as coisas acabaram por não acontecer", referiu a O JOGO.

Além disso, lembrou que das quatro derrotas duas aconteceram com os dois primeiros classificados. Um dia depois da derrota com o invicto Moreirense, e perante a perspetiva de mudança no comando técnico, o técnico garantiu que "os objetivos propostos seriam cumpridos". "Senti que para as pessoas da estrutura a solução já não passava por mim e foi fácil chegar a acordo para vir embora", enfatizou. Sérgio Machado, tem vindo a fazer uma ascensão meteórica na carreira: começou no Rio Tinto (AF do Porto) e passou pelo Esmoriz (AF Aveiro) antes de, em duas épocas, levar a Sanjoanense do Campeonato de Portugal à Liga 3. E, com o Trofense, atingir a II Liga. Convicto das suas capacidades e qualidades, o treinador vai esperar por outra oportunidade para dar sequência ao seu projeto profissional.