Leixões mete a terceira: a vítima foi agora o Vilafranquense

Leixões mete a terceira: a vítima foi agora o Vilafranquense
Redação com Lusa

Tópicos

Triunfo da equipa de Matosinhos por dois golos sem resposta.

O Leixões somou esta quinta-feira a terceira vitória consecutiva na II Liga portuguesa de futebol ao receber e bater o Vilafranquense por 2-0, em jogo em atraso da 12.ª jornada, e assim subiu ao 10.º posto, com 20 pontos.

Os visitantes contestaram muito a arbitragem de Iancu Vasilica, tendo reclamado duas grandes penalidades na primeira parte e as decisões que precipitaram a expulsão, por duplo amarelo, do médio ofensivo André Dias, no segundo tempo, mas desperdiçaram várias ocasiões de golo, a primeira ainda com o resultado em branco.

Nenê apontou o primeiro, aos 29 minutos, a passe de Avto, Kiki estabeleceu o resultado final, aos 72, na sequência de uma jogada similar à do primeiro golo, e o Leixões saiu deste encontro com um resultado muito melhor do que a exibição produzida.

O Vilafranquense podia ter marcado logo aos dois minutos, por Varela, que surgiu isolado diante Stefanovic e perdeu o duelo com o guarda-redes que hoje foi titular no Leixões porque Beto testou positivo ao novo coronavírus, responsável pela covid-19.

Dois minutos depois, o Vilaframquense desenvolveu uma boa jogada e a bola seguiu para André Claro, que rematou para fora e desperdiçou uma boa ocasião para abrir o marcador.

O Leixões entrou mal no jogo, revelando uma intranquilidade inesperada, porque vinha de duas vitórias seguidas, e só não ficou em desvantagem nos instantes iniciais devido à ineficácia finalizadora do adversário.

O primeiro tento surgiu, assim, contra a corrente. Avto recebeu um passe longo, isolou-se e cruzou rasteiro para Nenê, que só teve de empurrar a bola para a baliza, obtendo o seu sexto golo no campeonato.

A segunda parte começou com o Vilafranquense melhor, à base de um futebol apoiado, mas sem grande objetividade, ao passo que o Leixões continuou a revelar os mesmos problemas da primeira, sentindo dificuldades para ter bola e lançar ataques.

O Vilanfranquense ficou reduzido a 10 jogadores aos 62 minutos, devido à expulsão de André Dias, mas continuou a dominar e a dar claros sinais de que podia empatar. Varela voltou a ter uma grande oportunidade de golo, aos 65, mas rematou para fora quando só tinha Sefanovic pela frente.

Numa altura em que o empate parecia mais provável do que o 2-0, Avto lançou um ataque pelo corredor direito, serviu Nenê e este cruzou, tendo Kiki marcado o segundo golo do Leixões.

A vencer por dois golos, o Leixões continuou inseguro e sem ser capaz de controlar o jogo e o Vilfranquense teve mais uma clara ocasião de golo, por André Claro, que mais uma vez falhou o remate em posição frontal à baliza contrária.

Jogo no Estádio do Mar, em Matosinhos.

Leixões - Vilafranquense, 2-0.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

1-0, Nenê, 29 minutos

2-0, Kiki, 72

Equipas:

- Leixões: Stefanovic, Edu Machado, Pedro Pinto, Brendon Lucas, Tiago André, Nduwarugira Bruno Monteiro, Kiki (Lucas Lopes, 73), Avto (Sapara, 90+3), Jefferson Encada (Paulo Machado, 64) e Nenê (Rui Pedro,73).

(Suplentes: Stojkovic, Sapara, Rui Pedro, Paulo Machado, Jota Silva, Rucker, Lucas Lopes, Sek e Wendel).

Treinador: José Mota (substituído no banco por Paulo Sousa por ter acusado positivo ao novo coronavírus).

- Vilafranquense: Tiago Martins, Marco Grilo (Veiga, 82), Sparagna, Timbó (Tarcísio, 63), Vítor Bruno, Jefferson, Varela (Leandro, 76), Diogo Izata, Kady, André Dias e André Claro

(Suplentes: Bruno Ferreira, Tarcísio, Leandro, Veiga e Marcus Vinicius).

Treinador: João Tralhão.

Árbitro: Iancu Vasilica (AF Vila Real).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Bruno Monteiro (54), Timbó (56), André Dias (60 e 61), André Claro (61) e Vítor Bruno (90+4). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para André Dias (61).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia da covid-19.