Passou pelo FC Porto, por uma fábrica e agora sonha com a I Liga

Passou pelo FC Porto, por uma fábrica e agora sonha com a I Liga
Filipa Mesquita

Tópicos

Vasco Braga, um dos destaques do Penafiel, recordou as dificuldades, salários em atraso incluídos, que viveu no Campeonato de Portugal.

Com o Penafiel a contornar o mau arranque, somando agora duas vitórias consecutivas, Vasco Braga tem-se destacado pelas assistências e golos apontados. Proveniente do Merelinense, do Campeonato de Portugal, Vasco contou a O JOGO as dificuldades por que passou até chegar aos durienses, na época passada. "Antes de chegar aos campeonatos profissionais passei por clubes onde havia muitas dificuldades. Onde joguei tinha sempre os salários em atraso, e se não fosse a ajuda da minha família teria sido complicado", revelou o médio, vincando que em Penafiel as condições são "muito boas".

A contratação pelo Penafiel foi encarada como oportunidade de ouro para dar um salto na carreira. "Antes de chegar aqui tive de trabalhar e jogar em simultâneo. Ajudava o meu pai na fábrica para ganhar mais dinheiro e estar ocupado durante o dia. Não dava para viver só de futebol, mas nunca pensei em desistir", contou o médio, sublinhando que "a proposta do Penafiel foi irrecusável".

Na formação, o médio representou o FC Porto durante quatro anos e mantém o sonho de regressar ao clube do coração. "Foi um clube em que aprendi muito e agora é focar-me para chegar lá outra vez", referiu Vasco Braga.

Ao contrário da época passada, em que não marcou nenhum golo, o médio tem mostrado estar de pé quente e em quatro jogos já soma três golos, um registo que desvaloriza. "Acaba por ser um processo natural. Felizmente está tudo a correr bem a nível pessoal, mas de nada serve se não correr bem coletivamente", concluiu.