Adepto do Penafiel agredido com uma pedra no final do jogo com o Varzim

Adepto do Penafiel agredido com uma pedra no final do jogo com o Varzim

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Filipa Mesquita

Tópicos

Bruno Pinto, membro da claque penafidelense, utilizou as redes sociais para acusar a claque poveira de o ter agredido, com uma pedra na cara.

Após o apito final da partida entre o Penafiel e Varzim, em que os penafidelenses venceram por 2-0, os ânimos exaltaram-se junto às claques dos clubes.

Bruno Pinto, membro da claque da casa, utilizou as redes sociais para acusar a claque poveira de o ter agredido, com uma pedra na cara, no momento em que abandonava, sozinho, as instalações do clube.

Depois desta alegada agressão, a claque dos Penaboys emitiu um comunicado onde tentou explicar o que aconteceu e a forma como anteriormente tentou criar bem-estar entre as claques.

"À saída do estádio, os membros da claque que foram a pé começaram a ser insultados pelos adeptos do Varzim. Houve, inclusive, um membro nosso agredido com uma pedra na cara pelas dezenas de adeptos varzinistas que se encontravam no local", começou por explicar o líder da claque, Júlio Cacholas, adiantando ainda que três dias antes do jogo mandou uma "mensagem de boas vindas à claque do Varzim".

Júlio Cacholas, que ainda tentou auxiliar o adepto agredido, acredita que tudo se tratou de "mau perder" da equipa rival. "Os adeptos varzinistas não quiseram saber de futebol e não aceitaram a derrota. Primeiro começaram com insultos e à saída do estádio apanharam pedras para atirar aos penafidelenses".

No final do comunicado pode-se ler ainda alguma indignação perante a força policial e uma menção à postura da claque da casa.

"A culpa também foi obviamente do plano de segurança, tanto no interior do estádio como nas suas imediações. A associação Penaboys pauta-se por uma postura de alegria, sem violências e convívio com outras claques."