Fernando Valente vê "desnível de oportunidades" no play-off entre Chaves e Moreirense

Fernando Valente vê "desnível de oportunidades" no play-off entre Chaves e Moreirense

Treinador que esteve num play-off pelo Aves, em 2013/14, lamentou o facto de a segunda mão ser em casa da equipa da I Liga.

Nas vésperas do play-off entre Chaves e Moreirense (sábado, às 18 horas), O JOGO falou com Fernando Valente, treinador que tem no currículo a experiência de um play-off de permanência/subida ao serviço do Aves, na temporada 2013/14.

"São jogos especiais", atirou Valente sobre a sensação de participar numa fase decisiva. Nessa altura, o Aves, que terminou o campeonato na quarta posição - equivalente à terceira, uma vez que a equipa B do FC Porto estava à frente -, acabou derrotado pelo Paços de Ferreira, por 3-1, no conjunto das duas mãos.

O desfecho não foi o desejado, porque em apenas dois jogos ficou definido o trabalho de uma época inteira, e por isso, o antigo técnico do Aves frisou a importância do aspecto mental. "No plano de preparação, o que vai sobressair é o equilíbrio emocional e a capacidade dos treinadores de elevarem a confiança dos jogadores para os fazer ver a importância destes dois jogos", apontou Valente, que neste momento está sem clube devido à guerra na Ucrânia, onde trabalhou nas duas últimas temporadas e onde iria regressar caso o país não estivesse na atual situação.

Aos olhos do técnico, de 62 anos, o facto de as equipas atravessarem momentos diferentes pode fazer a diferença no desfecho, tal como aconteceu na época passada. "Há a equipa da I Liga que está num momento descendente, e há a outra, a equipa da II Liga, que está a crescer em termos motivacionais. E isto, às vezes, comprova-se nos resultados, como aconteceu na temporada passada, quando o Arouca garantiu a subida no play-off frente ao Rio Ave. São duas mãos totalmente diferentes, penso que, neste caso, a estrutura do Chaves é realmente profissional, com um treinador que conhece bem o Moreirense, por ter lá estado anteriormente. Mas, como disse, são jogos diferentes em que tudo fica decidido no segundo encontro", analisou, vincando que "há um desnível de oportunidades" neste play-off. "O local do segundo jogo é um fator importante porque, infelizmente, o mais fraco, na teoria, acaba por ter de jogar o primeiro jogo em casa e o jogo decisivo no reduto da equipa da I Liga", lamentou. Apesar desse aspecto que considera condicionante, e tendo em conta os momentos atuais, Valente acredita que o Chaves pode surpreender o Moreirense. "Penso que a grande surpresa será o Chaves conseguir a subida de divisão, tendo em conta que o Moreirense assume o favoritismo. No entanto, a carga emocional do Moreirense pode ser negativa, ao passo que o Chaves pode tirar proveito disso", defendeu.

Embora concorde que jogos destes acarretam mais pressão, Valente desdramatizou-a. "Penso que no final da época, os processos estão mais do que assimilados. Os jogadores, mesmo aqueles que não estão no melhor momento de forma, percebem que têm de estar totalmente focados no jogo. E é importante que estejam cientes que mesmo que a primeira mão corra mal, há uma segunda oportunidade", rematou.