Kiko Bondoso atingiu marca redonda no Vizela: "Nunca imaginei uma história tão longa"

Kiko Bondoso atingiu marca redonda no Vizela: "Nunca imaginei uma história tão longa"
Lino Devesas

Tópicos

Kiko Bondoso, o centenário que vivenciou a ascensão do Campeonato de Portugal à I Liga.

Kiko Bondoso atingiu a marca dos 100 jogos com a camisola do Vizela frente ao Moreirense. O atacante, que posteriormente já defrontou o Benfica, é o único centenário do atual plantel do clube minhoto, cuja caminhada começou há quatro épocas, ainda no Campeonato de Portugal.

"Tenho que ser sincero, nunca imaginei uma história tão longa. Cheguei aqui com muita ambição, percebi que o clube tinha ambição também e estava abaixo do que podia e tinha muita margem para evoluir. Mas nem nos meus melhores sonhos sonhava com esta evolução e hoje estar na I Liga e com 100 jogos", afirmou o jogador, acrescentando. "Fico orgulhoso. É normal, um jogador que faz tantos jogos ser quase sempre opção e isso dá-me muito orgulho. Trabalho muito e é muito importante para mim estar sempre presente, mas sou mais um para ajudar este plantel cheio de bons jogadores".

E, de seguida, Kiko Bondoso recordou a estreia, há pouco mais de três anos. "Foi com o Marítimo B, na Madeira, para o Campeonato de Portugal. Foi difícil para mim porque estava a mudar de hábitos, pois antes treinava à noite e aqui passei a treinar de manhã. Mas as coisas correram bem, felizmente, e até marquei na minha estreia", esclareceu.

Foi um golo importante mas houve outros mais marcantes, como, por exemplo, "contra o Vilafranquense, que sentenciou a subida de divisão. E contra o Marítimo, quando comemoramos a permanência na I Liga. Foram golos especiais", sustentou, confessando que "o mais bonito, e talvez com maior significado", foi o que obteve diante do Maria da Fonte", no CdP.

E numa retrospetiva da sua carreira referiu os jogos que teve mais prazer em disputar. "O primeiro, sem dúvida, contra o Vilafranquense, pois apesar de termos as bancadas vazias, foi extremamente importante para o clube e para mim. E em segundo lugar contra o Marítimo, por ter dado a estabilidade na I Liga. E o terceiro foi contra o Benfica, para a Taça de Portugal. Eles lutavam pelo título, nós estávamos no Campeonato de Portugal e batemo-nos de frente com eles e podíamos até ter tido outro resultado", frisou.

E, a concluir, abordou a sua forma de estar em Vizela. "A minha relação com a cidade é muito boa. A minha personalidade é um pouco fechada mas sempre que vou ao centro e me abordam tento sempre ter uma palavra com os adeptos. Acho que criámos uma boa relação ao longo destes anos", sublinhou.