"Todos são iguais: não me importo se são portugueses ou brasileiros, se têm 30 ou 18 anos"

"Todos são iguais: não me importo se são portugueses ou brasileiros, se têm 30 ou 18 anos"
Redação com Lusa

Tópicos

Declarações de Moreno, treinador do Vitória de Guimarães, após a derrota caseira com o Casa Pia, 0-1, em jogo da quarta jornada da Liga Bwin.

Análise: "Foi uma primeira parte com uma circulação muito lenta, falta de agressividade, sem conseguirmos os espaços que tínhamos identificado. A circulação de bola não foi aquilo que treinámos. Demos tempo para o Casa Pia bascular. Depois não tivemos reação na perda de bola. Tivemos uma primeira parte fraca. A segunda [parte] foi muito diferente, melhor da nossa parte, mas sem o golo. A equipa ganhou agressividade e criou espaços. Cruzámos, chutámos à baliza, mas não marcámos. O Casa Pia marcou, nós não marcámos. A vitória da Casa Pia acabou por ser justa."

André André estreou-se esta temporada: "O André André representa muito. Temos muitos jovens, mas precisam de suporte à volta deles. Ele esteve algum tempo parado e é uma ajuda para nós. O projeto é arrojado neste momento, com muitos jovens, mas só os jovens não dão resposta.

Onze inicial: "Pensámos em tudo. Para este jogo, colocámos aqueles [11 jogadores] que entendemos darem mais respostas. Para mim, todos os jogadores são iguais: não me importo se são portugueses ou brasileiros, se têm 30 ou 18 anos. Para a semana, teremos um novo jogo e vamos pensar nisso. Eu é que escolhi os atletas para o jogo. Perdemos. Esta é a vida de um treinador."

Mérito do Casa Pia e demérito do Vitória: "Há mérito do adversário, que tem qualidade e jogadores interessantes, mas houve mais demérito nosso na primeira parte. Demos tempo e espaço aos atletas do Casa Pia para decidirem. Quando se circula a bola como na primeira parte, os espaços não vão aparecer. Chegámos à área e não decidimos bem. Precisamos de passar tranquilidade aos atletas da frente para decidirem melhor."