SAD do Vitória aposta na venda de Sebastián Rincón

SAD do Vitória aposta na venda de Sebastián Rincón

Avançado está emprestado aos argentinos do Aldosivi e não entra nos planos dos minhotos para a nova temporada. O fim da ligação ao clube é um cenário irreversível.

O destino de Sebastián Rincón está traçado e não passará pelo regresso ao V. Guimarães. O avançado só tem mais uma época de ligação ao clube (até 2021) e, mal termine o empréstimo ao Aldosivi (Argentina), pelo qual soma 18 jogos e três golos, será vendido, de modo a que a sociedade desportiva recupere parte do investimento feito em 2017.

Depois de ter experimentado durante três épocas o futebol norte-americano, ao serviço dos Portland Timbers, o filho do antigo internacional colombiano Freddy Rincón evoluiu no futebol argentino com as cores do Tigre e foi já com o selo de valor seguro (na altura, com 23 anos) que seria contratado, com o Vitória a desembolsar 1,6 milhões de euros pelo passe.

Adaptável a várias posições no ataque, Rincón seria encarado como um dos principais reforços para 2017/18, mas não se impôs como se esperava e a época atribulada dos minhotos, que motivaria a troca de Pedro Martins por José Peseiro, ainda complicou mais a adaptação ao futebol português. Já sem a concorrência de Raphinha, David Texeira, Rafael Martins e Heldon, avançou para a época seguinte cheio de ilusões e, mais uma vez, percebeu rapidamente que seria uma figura secundária. Alexandre Guedes, Davidson e Ola John, entre outros, roubavam-lhe espaço e Luís Castro apenas lhe concedeu 60 minutos de utilização, acabando por ser encaminhado para a equipa B até ser cedido - já não entrou no grupo de Ivo Vieira. "Desapareci do mapa por completo, custou muito", recordou o jogador numa rede social.

Apesar da "má experiência", Rincón manifestou o desejo de "regressar, ganhar um lugar e dar seguimento à carreira na Europa". "Também gostaria de voltar ao Tigre, mas o problema são os portugueses. Veremos", juntou.