Quaresma: cinco anos depois do FC Porto e meses após a "trivela a André Ventura"

Quaresma: cinco anos depois do FC Porto e meses após a "trivela a André Ventura"

Quaresma está de regresso à I Liga cinco anos depois de trocar o FC Porto pelo Besiktas. E meses depois de um célebre "confronto" com o deputado André Ventura que até envolveu o Primeiro-Ministro, António Costa

Cinco depois de trocar op o FC Porto pelo Besiktas, no verão de 2015, Quaresma está de regresso à I Liga e agora para representar o terceiro clube em Portugal, o VItória de Guimarães. Antes, recorde-se, deu cartas no Sporting e, principalmente, nos dois períodos passados no FC Porto.

Quaresma regressa a Portugal meses depois de ter andado no topo da atualidade na sequência de uma troca de palavras com André Ventura e depois do deputado do Chega ter referido existir em Portugal "um problema com a comunidade cigana" em Portugal.

Recordemos esse episódio que envolveu ainda António Costa.

Durante um debate quinzenal que decorreu na Assembleia da República, em Lisboa, o deputado único do Chega questionou António Costa se "concorda ou não que há um problema com a comunidade cigana em Portugal", questionado também o que pensa fazer "com o reiterado incumprimento" às normas de confinamento por causa da pandemia da covid-19.

"Não, não há um problema com a comunidade cigana em Portugal. Agora o senhor deputado é que tem um problema, é que já foi de trivela", respondeu o primeiro-ministro, numa referência à resposta de Ricardo Quaresma, cuja trivela (jogar a bola com a parte de fora do pé) é a sua imagem de marca.

António Costa concretizou que existem sim problemas "com pessoas que cumprem ou não cumprem as normas sanitárias".

"E a resposta que temos que ter com qualquer dessas pessoas, qualquer que seja a sua etnia, qualquer que seja o seu local de vida, qualquer que seja a sua origem, qualquer que seja a sua religião, qualquer que seja a sua raça, é muito simples, a lei é para cumprir e deve ser aplicada a todos por igual", salientou.

Depois de André Ventura ter insistido no assunto e ter acusado o chefe de Governo de fazer uma piada, o primeiro-ministro apontou que "não disse uma graça, mas disse mesmo aquilo que é verdade".

"O senhor deputado resolveu criar um caso de uma parte importante dos portugueses, que é a comunidade cigana, como se eles fossem estrangeiros e não sabendo que há séculos que eles são tão portugueses como qualquer um de nós", assinalou, considerando que aquilo que deputado do Chega "teve foi uma resposta à altura de um grande campeão nacional e de um grande jogador da nossa seleção".

E Costa não ficou por aqui: "é ter muito mau perder quando, depois de levar um baile do Quaresma, a única resposta que teve para dar foi dizer que, sendo jogador da seleção nacional, só tinha obrigação de estar calado", contrapondo que "o direito à palavra e o direito à opinião é uma liberdade de todos".

Em comunicado divulgado no domingo, Ventura anunciou que, na sequência dos "episódios de violência e confrontação na Praia de Leirosa, Figueira da Foz", provocados alegadamente por um grupo de pessoas ciganas, apresentará "ao parlamento, já no decurso desta semana, um plano específico de abordagem e confinamento para as comunidades ciganas, face à pandemia de covid-19".

Na nota, o deputado defendia que "o cumprimento da lei não pode ser reservado apenas para alguns, que nenhuma minoria, étnica ou racial, pode considerar-se acima da lei, e que a força pública não pode recear intervir ou agir com o eterno pretexto do racismo e da xenofobia".

Já na segunda-feira, André Ventura endereçou três cartas aos líderes do PSD, CDS-PP e Iniciativa Liberal nas quais pedia o apoio destes partidos "na redação de obrigações legais" que "consigam, de uma vez por todas, fazer cumprir as leis de forma igual a todos os cidadãos".

Através de uma publicação na sua conta oficial da rede social Facebook Quaresma critica que "o populismo racista do André Ventura apenas serve para virar homens contra homens em nome de uma ambição pelo poder, que a história já provou ser um caminho de perdição para a humanidade".

"Eu sou cigano, cigano como todos os outros ciganos e sou português como todos os outros portugueses, e não sou nem mais nem menos por isso", acrescenta o jogador, em declarações que André Ventura entretanto lamentou.