"Os outros não sentem a dor da derrota do Vitória como os jovens da formação"

"Os outros não sentem a dor da derrota do Vitória como os jovens da formação"

André Amaro, Miguel Maga, Hélder Sá, Ibrahima Bamba e André Almeida jogaram de início frente ao Estoril. Quatro foram trabalhados na formação e um nos sub-23 e bês. Reconstrução do Vitória passará muito pelos jovens da "cantera". João Pedro, com a mesma proveniência, recorda que o clube conquistou a Taça de Portugal com vários jogadores dessa gama.

A reinvenção do Vitória de Guimarães, muito influenciada pela contenção financeira determinada pela SAD, faz-se cada vez mais à custa de jogadores oriundos da formação e das equipas profissionais secundárias. Ex-treinador dos bês, Moreno Teixeira conhece-os bem e avançou para o jogo com o Estoril, da última jornada, entregando a titularidade a cinco: André Amaro, Miguel Maga, Hélder Sá, Ibrahima Bamba e André Almeida.

Uns mais do que outros já tinham essa rotina na época passada, mas nunca em simultâneo. Na segunda parte, ainda fez saltar do banco de suplentes Dani Silva, outro atleta trabalhado nos escalões jovens do clube, e acabaria por festejar mais um triunfo sem golos sofridos, para o qual foi decisivo, com uma assistência, o médio-ofensivo André Almeida.

Semelhante investimento na prata da casa, processo iniciado por Pepa, encanta os adeptos e, na opinião de João Pedro, outro produto da formação do Vitória e depois lançado na equipa principal, deve ter continuidade.

"Sentem o clube. Há muito que não se via tantos juntos de início e todos têm grande qualidade, porque o setor da formação sempre trabalhou muito bem. Os jogadores estrangeiros ou outros que venham de outros clubes não sentem como eles a dor de uma derrota do Vitória. É importante que o plantel tenha sempre um número significativo de jogadores da casa", comentou, recordando que o clube conquistou a Taça de Portugal, em 2012/13, com "vários jogadores provenientes da formação e da equipa B".

"Nunca deveria ter sido abandonada essa aposta e os adeptos nutrem grande carinho por esses jogadores. Até podem exigir-lhes mais, mas isso dá uma força enorme à equipa", juntou o ex-jogador do Tondela.

Por entre elogios a André Almeida, que já atingiu "um patamar elevado como jogador", João Pedro acha que o central André Amaro e o médio Ibrahima Bamba são "muito interessantes" e destaca o lateral Hélder Sá. "Do grupo que jogou, é o que dá mais nas vistas. É forte e sobe muito bem para cruzar", avaliou.

O onze inicial mais jovem

Além de partilhar o primeiro lugar com FC Porto, Benfica e Boavista, o Vitória de Guimarães lidera o ranking das equipas iniciais mais jovens (média de 23,5 anos) da principal liga portuguesa, ao cabo de duas jornadas. João Pedro diz que os jovens com "selo Vitória" que vão aparecendo na primeira equipa "amam o clube como nenhum outro", mas nesta altura será "mais influente" Moreno, um técnico da casa. "Foi meu capitão e tem carisma. É um grande líder", sentenciou.