"Não olharia para nenhuma equipa que ficou atrás do Santa Clara"

"Não olharia para nenhuma equipa que ficou atrás do Santa Clara"

João Henriques foi esta terça-feira apresentado como treinador do Vitória, sucedendo a Tiago Mendes no cargo.

A chegada e os objetivos: "Não posso deixar que as primeiras palavras sejam de agradecimento pela confiança que me foi dada pelo presidente e pelo diretor desportivo, Carlos Freitas. Confiança num conquistador, Henriques o conquistador é quem está aqui. Depois de ver in loco a qualidade do plantel nestes últimos dois treinos, mais confiança me dá para atingir os objetivos deste grande clube. Estou de corpo e alma com estes objetivos, com muita confiança no nosso trabalho para conseguirmos maximizar os ativos deste clube. Vamos lutar todos os jogos pela vitória, independentemente do local e do adversário. Queremos que os adeptos se identifiquem connosco e queremos que eles voltem em breve a estar connosco. Sem trabalho, sem ambição e motivação não conseguiríamos atingir"

Plantel: "Representar o Vitória é muito fácil. Quando há o convite e confiança passada pelas pessoas não há dúvidas em entrar de corpo e alma no projeto. Vejo os jogos da I Liga e já conhecia a qualidade do plantel do Vitória. Depois destes dois treinos, mais confiante fiquei. O mercado está fechado, mas o plantel tem qualidade".

Maior desafio da carreira? "É o desafio que eu esperava, é o maior clube que representei até hoje. Obviamente que é um grande desafio".

Jogos com Boavista e Braga: "Vão ser muitas batalhas, queremos ir à Taça da Liga representar condignamente o clube e estar presente na final four. Temos a Taça de Portugal e sabemos que o jogo mais difícil no futebol é o próximo. O Boavista é o primeiro e vamos tentar com o nosso espírito de conquista trazer esses três pontos.

Iniciou época sem clube: "Quando o leque de escolhas é mais reduzido da minha parte... Depois de terminado o ciclo no Santa Clara o meu leque de opções fez querer dar um passo à frente na carreira. Não olharia para nenhuma equipa que ficou atrás do Santa Clara e assim o leque reduziu-se. Não fiquei nem frustrado nem triste, eu esperei pacientemente para que a oportunidade aparecesse, apareceu numa altura inesperada. No final não haverá surpresa".

Classificação: "O céu é o limite. Não olhamos para classificações, olhamos para jogos. Fazemos as contas no final. A nossa exigência é alta, sabemos que os adeptos são exigentes, da mesma forma que nós, staff, somos exigentes".

Papel dos mais experientes: "O talento não tem idade. O plantel é jovem, mas também tem jogadores mais experientes e esta mescla faz do plantel forte. É uma equipa que vai ter o seu processo natural de crescimento e as nossas ideias dizem que com estes jogadores vamos fazer coisas boas. No final deste ano seremos todos muito melhores".