Mumin agita nas vésperas de encerrar o mercado

Mumin agita nas vésperas de encerrar o mercado

O Rayo Vallecano ainda não desistiu de levar o central ganês e, segundo o jornal "Marca", terá elevado a oferta para os dois milhões de euros, valor que poderá ser irresistível.

O Rayo Vallecano voltou a cruzar caminho com Mumin, depois de a primeira tentativa de negócio ter caído, por não corresponder aos valores pretendidos pela SAD vitoriana. Situação que parece não ter demovido o clube de Madrid, como fez nota o jornal "Marca", referindo que o V. Guimarães flexibilizou as exigências pelo facto de não ter encontrado um clube disposta a cumprir as desejadas condições económicas.

O jornal espanhol relembrou, ainda, que o Rayo Vallecano oferecera, em julho, 1,5 milhões por 50% dos direitos desportivos de Mumin, proposta que terá sido rejeitada. Segundo o mesmo periódico, o Rayo Vallecano predispôs-se a elevar a oferta para os dois milhões de euros, o que poderia ser suficiente para seduzir o V. Guimarães a aceitar a proposta.

Entre os jogadores negociáveis, o central ganês é dos mais cotados no plantel, pelo que é natural que a SAD alimente expectativas de um bom encaixe financeiro. A política da gestão de António Miguel Cardoso é de contenção, medida que visa os salários mais elevados. Mumin tem sido um nome muito comentado no mercado de verão, ao ponto de ter sido apontado a vários clubes. O Angers, da I Liga francesa, como noticiara o jornal "L'Équipe", terá apresentado uma proposta interessante, mas não avançou. A especulação não parou aqui e a lista de interessados foi crescendo com emblemas como o Valência, o Bournemouth, da Premier League, e ainda os turcos do Galatasaray.