"Foi um jogo intenso, de loucos, as equipas queriam fazer golos"

"Foi um jogo intenso, de loucos, as equipas queriam fazer golos"

Pedro Martins lamenta que a recuperação do Chaves tenha começado com um erro de julgamento do árbitro. E recorda o Moreirense-Vitória

Sobre o jogo: "Disse que ia ser um jogo aberto, com duas equipas a quererem vencer e os primeiros 45 minutos demonstraram isso mesmo. Foi um jogo intenso, de loucos, porque as duas equipas queriam fazer golos, com pouco rigor defensivo, das duas equipas, ou melhor, com a supremacia do processo ofensivo das equipas, em comparação com o defensivo. Grande jogo, dos melhores nesta Liga."

Calma depois dos golos: "Na segunda parte já houve mais equilíbrio, com as duas equipas a demonstrarem menos frescura física, devido à intensidade que o jogo teve nos primeiros 45 minutos. Sofremos o último golo de grande penalidade, infelizmente. Parabéns ao Chaves pela vitória e à minha equipa pelo jogo de futebol que fez."

Crítica: "Lamento que a alteração do jogo comece com um penálti que não existe e lamento porque há alguns jogos que tem acontecido isto. O segundo lance é penálti, mas em Moreira de Cónegos tivemos esta situação e não foi revista de forma rigorosa, pois nem sempre os planos de imagem oferecidos ao árbitro são os melhores. Mas isso é o futebol também."

Golos sofridos: "Hoje há mérito do adversário e o jogo teve características especiais, mas cometemos muitos erros que temos que erradicar. Criámos muitas oportunidades e o Chaves teve muitas dificuldades, mas também criou situações. Perdi a conta às oportunidades que houveram para os dois lados, mas claro que também cometemos erros defensivos que não podemos cometer".