Amaro afirma-se e recupera fôlego para receber o Benfica

Amaro afirma-se e recupera fôlego para receber o Benfica

Titular na estreia pela Seleção Nacional de sub-21, na Covilhã, com a Geórgia, o central de 20 anos já soma este ano mais jogos na equipa vitoriana do que na época passada.

Tem sido sempre a somar para André Amaro: sete jogos no campeonato e seis quilos de massa muscular no corpo, afinado no ginásio diariamente para acrescentar à indesmentível qualidade técnica que tem uma vertente física capaz de impor respeito a qualquer adversário.

Este plano específico começou a ser desenhado desde que se estreou pela equipa principal, há quase dois anos, nos Açores, e o objetivo é garantir que fica mais robusto e capaz de superar as exigências do futebol ao mais alto nível.

Não se tem dado mal. Aos sete jogos de campeonato este ano, somou ainda mais três na Conference League, num total de 10, ou seja, mais um do que os nove que conseguiu em toda a época passada (nove, sete dos quais no campeonato) e está a dois de igualar o melhor registo que tem: 12, em 2020/21.

À afirmação inequívoca no Vitória juntou agora a cereja da Seleção. A Covilhã ficará, por isso, na memória de André Amaro. Depois de nove jogos pelos sub-20 - o último contra a França, a 29 de março de 2022, sob o comando de Emílio Peixe -, o central, natural de Coimbra, estreou-se pela equipa nacional de sub-21.

Titular ao lado de Eduardo Quaresma, o jogador de 20 anos, que tem contrato com o Vitória até 2025 e uma cláusula de 50 milhões de euros, atingiu mais uma etapa de sonho de um percurso que em Guimarães começou nos juvenis, como médio defensivo, quando foi contratado à Académica, onde jogou uma época, após ter iniciado a formação na Naval.

Este arranque no Vitória, de Moreno Teixeira, que o conhece bem da equipa B - na época passada fez 11 jogos e um golo na Liga 3 - é, naturalmente, o principal motivo para a confiança que foi depositada por Rui Jorge e que lhe alimenta a esperança de poder estar no Europeu de 2023.

Ao fim de sete jornadas, é o segundo mais utilizado do plantel vitoriano: com 612", está apenas atrás do capitão e guarda-redes Bruno Varela (630"), e tem mais um minuto do que Rúben Lameiras.

O próximo desafio, no sábado, é com o líder da Liga. O atleta lançado na equipa A por João Henriques - estreia a 21 de dezembro de 2020 -, poderá ter a oportunidade de ser opção inicial pela primeira vez contra o Benfica, completando, assim, o objetivo de ser titular com os grandes (foi duas vezes com o FC Porto e uma com o Sporting).