"Jogar aberto contra o Benfica era suicídio"

"Jogar aberto contra o Benfica era suicídio"

Palavras de Luis Norton de Matos, treinador dor União da Madeira após a derrota forasteira contra o Benfica por 2-0, a contar para a 24ª jornada da I Liga.

O jogo: "Jogámos aqui da maneira que queríamos, com organização defensiva e com saídas rápidas para o contra ataque. No entanto tivemos a contrariedade de sofrer o golo aos cinco minutos, mas não desmoralizamos e continuamos no jogo. Quase marcamos num lance do Toni Silva, e se realmente a bola tivesse entrado podia ter sido diferente. Mas não havia outro modo de jogar contra o Benfica. Se viéssemos jogar aberto contra o Benfica era suicídio. Por isso, no fundo, não há nada em causa em relação ao resultado, e nada em causa em relação ao Benfica. São jogadores que já estão juntos há alguns anos e jogam de olhos fechados. Não é por acaso que o Jonas tem 26 golos."

Parte final: "Na parte final houve algum pânico na nossa área e alguma precipitação na hora de cortar a bola. Mas a vitória assenta bem ao Benfica. Foi um bom treino para nós, no sentido em que este foi o primeiro jogo contra os grandes fora. Por isso foi um treino muito bom. Mas eu acredito piamente que nestas próximas jornadas vamos ser capazes de garantir a manutenção. Os meus jogadores estão de parabéns porque souberam dignificar a camisola e as pessoas da Madeira."

Adeptos do Benfica: "Fui jogador do Benfica, fui treinador da equipa B do Benfica e conheço este público. Este público puxa de uma maneira impressionante. É um peso muito grande. Lá na Madeira também temos um público muito bom, mas não se compara. Lá são 1500/2000 pessoas não se compara a isto. Temos que ver que a nossa realidade é muito diferente. Uma equipa da dimensão do União da Madeira em Inglaterra contrata jogadores de 40 milhões de euros."