Venda de dívida do Sporting arrancou esta segunda-feira

Venda de dívida do Sporting arrancou esta segunda-feira
Frederico Bártolo

Tópicos

Clube tenciona arrecadar 28,7 milhões de euros líquidos no novo empréstimo obrigacionista, colocando a taxa de juro nos 5,25%

Antes de jogar pelo apuramento milionário na Liga dos Campeões, prova na qual o Sporting acumulou já 32,61 milhões de euros, o que perfaz um recorde, o clube de Alvalade arrancou com a venda de dívida prevista.

O empréstimo obrigacionista lançado pela Sporting SAD tem o valor de 30 milhões de euros, o mesmo montante pedido em 2018, e tem como previsão render 28,7 milhões de euros líquidos, já depois de deduzidos os custos anexos, sendo colocada uma taxa de juro de 5,25%.

A emissão inicial, que arrancou pelas 8h30 desta segunda-feira, é de seis milhões de obrigações, ao valor nominal de cinco euros, mas o valor pode ser aumentado, por opção da SAD leonina, tendo de fazer uma adenda ao prospeto até 30 de novembro para tal. Há um valor mínimo de subscrição por parte do investidor, que tem de entregar 2 mil euros como montante mínimo.

Uma vitória frente ao Dortmund dá 2,8 milhões de euros e o apuramento para a próxima fase 9,6, mas há que recordar que os leões têm uma apertada gestão financeira e que tinham 26,7 milhões de euros para pagar até ao dia 26 de novembro, relativas ao reembolso das obrigações emitidas em 2018.

O Sporting, recorde-se, deveria ter reforçado as contas reserva com 16 milhões de euros para recomprar as VMOC [Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis], mas mantém a tranquilidade por ter assinado o direito de preferência e de recompra dessas VMOC, que chegam a um valor acima dos 40 milhões de euros, isto por terem um acordo estabelecido com os bancos até 2026.

A prioridade verde e branca continua a ser de gerar receita suficiente que permita acionar a recompra faseada das VMOC e, assim, garantir a maioria do capital da SAD.