Varandas: "Mas fui eu que criei o fosso para os nossos rivais?"

Varandas: "Mas fui eu que criei o fosso para os nossos rivais?"

Frederico Varandas contestou as críticas da oposição em entrevista à Sporting TV.

Reestruturação financeira

"É um processo longo e muito duro, aquele que estamos a ter com os bancos. Leal, mas duro. Estamos prestes a finalizar o acordo e temos boas perspetivas. A responsabilidade deste cargo exige que não entre em pormenores. Está quase a terminar a pensamos que será muito benéfico para o Sporting".

Críticas

"Vou ser curto e grosso. Depois do que esta direção fez, da forma como agarrou o clube e olhando para a história das últimas duas décadas... Bem, tínhamos necessidade imediata de 100 milhões de euros, um contrato com a NOS por assinar, voltar a apostar na formação, conquistámos dois títulos - repito, dois títulos. E isto foi tudo feito. E depois, ao primeiro desaire, aparece a contestação? Os sportinguistas não são estúpidos. Ao primeiro desaire aparecem lá os esqueletos... Mas deles todos, não ouvi nem uma palavra quando ganhámos a Taça da Liga e de Portugal. Meus senhores, eu tenho defeitos, muitos defeitos, mas não sou estúpido. Os sportinguistas não gostam disto. É gente sem humildade democrática, que se intitulam porta-vozes do Sporting na desgraça. Ou não percebem nada de futebol ou são intelectualmente desonestos".

Oposição

"Eu não vejo essas pessoas felizes quando o Sporting ganha. E quando dizem que existe um fosso grande para os nossos rivais, eu perguntou: mas fui eu que criei este fosso? Eu nasci no Sporting, amo o Sporting, e sempre vi estes senhores a gravitar à volta do clube. Este fosso parece que interessa a alguns. Mas, nesta altura, estamos a trepar para sair do fosso, apesar de haver muita gente a tentar puxar-nos para baixo. Nos últimos 10 anos, o Benfica fez cerca de 900 milhões de euros em vendas, nós fizemos 400 milhões. Temos de trabalhar muito. Temos uma equipa de sub-23 com uma média de idades inferior a 18 anos. É aí que está o nosso futuro. Temos de fazer muitos negócios para conseguirmos olhar os nossos rivais nos olhos. Não é a bater no peito, no leão, que vamos ganhar jogos. Vamos ganhar jogos com trabalho e competência. Não abdico dos valores do Sporting".