Ugarte eleva despesa aos 12 milhões de euros e aumenta necessidade de vender

Ugarte eleva despesa aos 12 milhões de euros e aumenta necessidade de vender
Rafael Toucedo

Tópicos

O médio uruguaio fez exames médicos na sexta-feira, assistiu ao jogo e assinou no sábado, acabando por fazer um treino ligeiro na Academia. Mas só será oficializado e apresentado segunda-feira.

Manuel Ugarte já é, finalmente, jogador do Sporting. O médio uruguaio chegou a Lisboa na sexta-feira, realizou exames médicos, seguiu para Alvalade para ver o jogo dos leões contra o Vizela e ontem assinou contrato até 2026, com uma cláusula de 60 milhões de euros.

Acabou, assim, uma das novelas de verão do mercado de transferências, que durava há mais de um mês. Com a contratação do médio uruguaio, o Sporting eleva a conta de gastos na época em curso para os 12 milhões de euros, numa altura em que a SAD sente cada vez mais o aperto financeiro e a necessidade de fazer um grande encaixe.

O médio chega do Famalicão e 50 por cento do passe custou 6,5 milhões de euros. A cada 30 jogos, porém, o Sporting pode comprar mais 10% (até um máximo de 30%) a troco de dois milhões de euros, o que eleva o custo do jogador, mas garante à SAD verde e branca maior margem para lucrar numa venda futura - situação que o Sporting não conseguiu resolver com Pedro Gonçalves, uma vez que o Famalicão não abdica dos 50 por cento que detém do passe do goleador.

Além do custo de Ugarte, a SAD leonina já contabiliza no presente orçamento a despesa para contratar Esgaio (5,5 M€), enquanto Rúben Vinagre só entrará no da próxima temporada (cláusula de compra obrigatória de 10 M€ por 50% do passe no fim do empréstimo dos Wolves). A juntar a estes reforços há ainda Gonçalo Esteves, que chegou livre dos juniores do FC Porto, e a consumação da continuidade de Matheus Reis, livre, após meia época de empréstimo do Rio Ave. Como despesa futura surge também a contratação de Pedro Porro cuja compra, como O JOGO revelou, será antecipada, embora o pagamento da cláusula de 8,5 M€ se mantenha a pagar só no final da temporada.

Necessidade de vender aumenta

A conta do Sporting aumenta e agudiza a necessidade de uma injeção financeira. Nuno Mendes, Matheus Nunes, Jovane, João Palhinha e Pedro Gonçalves são os ativos com mais mercado, mas até agora a SAD ainda não conseguiu fazer a tão ansiada grande venda que permita respirar de alívio. Uma saída é inevitável e Amorim já reiterou que "não há intransferíveis". "Não vou estar aqui a ser hipócrita. Há jogadores com qualidades únicas e difíceis de substituir. É difícil encontrar um jogador tão completo como Pote, ou como Palhinha...", afirmou.