"Tenho plano A, B e C"

Rafael Toucedo/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Bruno de Carvalho concedeu uma entrevista ao jornal oficial do clube, na qual aborda o peso do afastamento na Champions e a derrota com a Doyen

A não entrada na Liga dos Campeões e a derrota no caso Doyen têm impacto severo nas contas da sociedade verde e branca e, em entrevista ao jornal oficial do clube, o presidente Bruno de Carvalho assumiu as repercussões e a necessidade de partir para planos de recurso. O dirigente reconheceu ainda o risco de em 2025 vir a perder a maioria do capital da SAD, o que, a acontecer, seria o fracasso de uma das suas bandeiras eleitorais.

"O Sporting não está ainda em condições e numa plenitude de saúde que permita que não seja obrigado a ter o plano A, B e C, que um percalço como este da Liga dos Campeões não tenha impacto e não tenha de originar um plano B", disse Bruno de Carvalho, insistindo na razão do clube no diferendo com a Doyen e na intenção de recorrer da decisão do TAS de punir os leões (ver mais informação na página 17).

O rombo financeiro que representa a decisão do pagamento da indemnização, de cerca de 12 milhões de euros mais juros, ao citado fundo de investimento foi ironizado por Bruno de Carvalho. "Pode haver dolo sem intenção. A partir do momento em que se abre a caixa de Pandora e se inventam conceitos, tudo é possível", comentou.

O líder leonino aludiu ainda ao período para a reconversão das VMOC (empréstimo de 80 milhões de euros), que vence em 2025, e que deixa o clube em risco de vir a perder a maioria do capital da SAD: "Depois há ainda a questão das VMOC até 2025. Teremos de encontrar, todos juntos, soluções para a recompra da parte que permita manter a maioria do capital, que é o grande objetivo."

Questionado sobre a intenção de se recandidatar à presidência do clube em 2017, disse não ter ainda uma decidido: "Não penso nisso neste momento. Tenho de ver como estarão o Sporting, o futebol português e as perspetivas para os quatro anos seguintes." O presidente leonino acrescentou que só se recandidatará se continuar a sentir que é uma mais-valia para o clube.