Sporting com cinto apertado nas modalidades

Sporting com cinto apertado nas modalidades
Filipe Alexandre Dias/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Além do processo de despedimento coletivo de 20 funcionários, foram também recusados reforços no sector das modalidades do clube leonino.

O Sporting avançou na quarta-feira para um processo de despedimento coletivo de 20 funcionários das mais diversas áreas de atividade do universo leonino, cujos ordenados anuais, segundo O JOGO apurou, representam um milhão de euros (M€).

Os profissionais em causa foram notificados e alguns deles reuniram-se no sentido de acordar os termos da saída, concretamente as indemnizações que cada um tem direito pela decisão tomada pelo elenco liderado por Frederico Varandas. A decisão tem efeitos imediatos.

Ora, também nas modalidades os constrangimentos financeiros do Sporting têm sido elevados, verificando-se, porém, bons desempenhos desportivos na época em curso - os leões lideram no hóquei em patins, futsal e basquetebol, ocupando a segunda posição no voleibol e andebol.

Sabe O JOGO que os acordos orçamentais foram definidos em dezembro último, mas o elenco de Varandas, - concretamente por determinação de Francisco Salgado Zenha, vice-presidente e administrador financeiro da SAD -, recusou reforços para as mesmas, pese os pedidos para evitar eventuais perdas de competitividade.