Rochinha segue modelo de Pedro Gonçalves 

Rochinha segue modelo de Pedro Gonçalves 

Sem Morita e Ugarte, ambos no Mundial, Amorim está a dar rotinas no meio-campo ao antigo jogador do V. Guimarães.

Privado de Ugarte e Morita, os dois centrocampistas do Sporting que estão presentes no Mundial, Rúben Amorim está a aproveitar o espaço vago no meio-campo para treinar Rochinha na posição, sabe O JOGO.

Ciente de que não terá os mundialistas para a Taça da Liga e que o futuro reforço Tanlongo só será solução em janeiro - tem de apresentar-se no Rosario Central a 5 de dezembro -, o treinador dá agora rotinas ao antigo jogador do V. Guimarães, explicando-lhe posicionamentos defensivos. O JOGO sabe que Amorim confia na capacidade de Rochinha para trazer a criatividade e a chegada à área que Pedro Gonçalves tem conseguido, sendo que este último ainda tem questões de ocupação do terreno a melhorar para tapar com mais eficácia a intermediária.

A fórmula que Amorim considera dar mais dividendos à equipa - avaliando com agrado o desenvolvimento de Pote - já estava pensada quando Rochinha foi contratado, dado que este, noutros tempos, alinhou na posição 10 e como interior, mas num esquema com três médios. Portanto, ainda precisa de ter rotinas nesta ideia de jogo do Sporting, equipa pela qual tem alinhado na frente e, maioritariamente, na esquerda, procurando sempre diagonais quando tem a bola, mas também apoiando a linha média.

Face às várias opções para as faixas atacantes - Pote, Trincão, Edwards, Jovane e Arthur Gomes -, o camisola 16 terá aqui uma chance para demonstrar polivalência e ter minutos. Até este momento, Rochinha só foi titular em três ocasiões e somou 13 utilizações, marcando um golo. Pedro Gonçalves deverá, ainda assim, ser o eleito para jogar no meio-campo frente ao Farense, dia 30.