"Posso ir para o estrangeiro ou voltar para o Casa Pia. Quero ser feliz"

"Posso ir para o estrangeiro ou voltar para o Casa Pia. Quero ser feliz"

Declarações de Rúben Amorim, treinador do Sporting, na antevisão à receção ao Chaves (20h30 de sábado), da quarta jornada da Liga Bwin.

Qualidade e exigência: "Talvez tenhamos de dar dois passos atrás para ter consistência e conseguirmos os resultados. Agora nota-se no treino, temos de aumentar a qualidade e exigência. Nuno Mendes e Matheus Nunes não existem muitos. O Mateus Fernandes tem 18 anos, esteve nos juvenis há dois anos. Vamos tentar fazer isso, mas com esse suporte. Não podemos deixar cair o trabalho que já fizemos, a base é que aumenta a qualidade da equipa. Todos se queixam do mesmo, da falta de tempo para os seus jogadores. Os adeptos têm de estar atentos à direção que o clube leva."

Mudanças na equipa? "Podem existir. Vamos entrar numa sequência de jogos difícil. Este ano o grupo é mais curto, todos têm de estar preparados. O presente é que dita tudo, quero que os jogadores sigam o que digo. Como foram os golos com o FC Porto, mostrei-lhes isto. O caminho das equipas é crescer jogo a jogo."

Distância de cinco pontos: "Não vamos fazer mais contas, vamos voltar ao jogo a jogo. Estamos muitos pontos atrás nos panoramas gerais do clube. Mas se falarmos sempre de 5 pontos, os jogadores vão ficar ansiosos."

Meio-campo curto? "Só saiu um jogador, mas o plano era manter a base. Temos dois jogadores que não são laterais esquerdos de raiz. O Dani teve lesão grave. Tudo foi feito para manter Ugarte, Pote e Matheus. Já íamos arriscar com o Matheus mas havia um objetivo. Ficámos mais curtos. Falhei no planeamento. No fim do mercado temos de ter a certeza para onde vamos. Não vamos mudar tudo agora. Havia jogadores referenciados, mas que eu saiba não vai haver grandes investimentos."

Objetivos intactos face ao meio-campo fragilizado? "Jovane levou pancada no pé e fica fora algum tempo. Vamos ajudar a voltar. Porro foi expulso, Paulinho está mais perto. Queremos ganhar os jogos todos. Queremos ser competitivos. Essa ideia vai-se manter."

Sair para um projeto em que não tenha de vender? "Posso ir para o estrangeiro ou voltar para o Casa Pia. Quero ser feliz. Não ando à procura de nada, não tenho pressa de nada. Gosto de trabalhar com quem olha para os mesmos objetivos."