Pedro Baltazar pede demissão de Varandas e perfila-se como solução

Pedro Baltazar pede demissão de Varandas e perfila-se como solução
Miguel Gouveia Pereira

Tópicos

Ex-candidato e administrador da SAD do Sporting, comentou a atualidade leonina, pronunciando-se sobre Frederico Varandas e Silas: "As pessoas de bom senso, quando acham que não têm mais nada a dar, têm que se demitir". Diz estar disponível para ajudar clube de Alvalade no futuro

Pedro Baltazar, candidato às eleições de 2011, que sufragaram Godinho Lopes como presidente do Sporting, e ex-administrador da SAD leonina, pronunciou-se sobre a atualidade do clube de Alvalade, à margem de um almoço-debate organizado esta segunda-feira pelo International Club of Portugal, em Lisboa.

"O jogo de ontem podia ter corrido melhor, mas correu mal, já houve jogos melhores e outros piores. O que está em causa em minha opinião é alguma falta de experiência e alguma falta de visão estratégica da administração da SAD. A administração da SAD não foi eleita, parto do pressuposto que a direção do clube foi eleita pelos sócios e é preciso respeitar. A partir daí, há um conjunto de erros e falta de agregação da família sportinguista. Depois, há um conjunto de situações e fatores que acabam por levar o Sporting a esta situação, que já não era fácil devido a tudo aquilo que tinha acontecido no pós-Bruno de Carvalho", começou por referir o empresário, para prosseguir: "A situação é sempre esta, as pessoas são eleitas e estão nas funções por direito próprio. O que costuma acontecer nas pessoas de bom senso e nas pessoas que gostam das instituições que dirigem é que, quando acham que já não têm mais nada a dar, têm de se demitir."

Desafiado a esclarecer se seria esse o caso de Frederico Varandas, Pedro Baltazar, não foi taxativo, mas ainda assim esclarecedor. "A administração da SAD é uma situação, o clube é um processo mais complicado até porque, a meu ver, a direção tem pouco a ver com a administração da SAD, ou tem menos a ver. Agora, no caso da SAD é óbvio que, enquanto as outras modalidades seguem o seu caminho, o clube e o futebol em si está a dar sinais muito negativos aos sportinguistas, que têm tido muita paciência", referiu.

"É preciso pensar que o Sporting clube e SAD é muito mais do que as pessoas que o dirigem, é preciso ter esse bom senso, é preciso agregar qualidade dentro de o grupo sportinguista. Agora, não há salvadores, mas bom senso e pessoas que percebam de futebol", perspetivou, pronunciando-se sobre a possibilidade de se perfilar como uma solução futura: "Estou sempre aberto a poder ser útil. Não me arrependo de ter sido candidato em 2011, penso que no caminho até aqui, teríamos feito muito melhor do que foi até aqui, pior também era difícil, estou a falar de 2011 até agora, embora o Sporting até tido alguns momentos durante estes anos. Tenho disponibilidade, continuo a ser do Sporting, os amores não se deixam, estarei sempre disponível a arranjar as soluções que acho mais conveniente em termos de Sporting."

Quanto à eventualidade de liderar um projeto para o futuro do Sporting, o empresário não fecha portas. "Esta coisa de liderar um projeto, tem a ver com encontrar as pessoas certas. Temos de nos reunir com as pessoas que nos poderão dar mais do que aquilo ou nas zonas em que percebemos menos, em que são necessárias. Estou preocupado com o Sporting e o futebol do Sporting, que move 90 por cento do mundo Sporting, porque não vejo grande soluções. Não é mudar de técnico, não há projeto nenhum quando se tem cinco treinadores relativamente diferentes e se escolhe um que, com todo o amor que possa ter pelo Sporting, não sei se foi bem escolhido e, mais do que as pessoas em si, que merecem respeito, é o apoio que se dá às equipas e estruturas, que é quase nulo, desde que esta administração da SAD está mais preocupada em arranjar modelos de relações internacionais ou com empresas de agentes do que verdadeiramente preocupada em desenvolver o futebol e assuntos que são do dia a dia do clube", rematou Pedro Baltazar.