"O Sporting esteve bem esta época, mas um pouco menos arrogante"

"O Sporting esteve bem esta época, mas um pouco menos arrogante"
Redação com Lusa

Tópicos

Virgílio Lopes, antigo jogador dos leões, faz uma análise à temporada da equipa.

O Sporting "cresceu como equipa" em relação a 2020/21, apesar de ter fraquejado na I Liga e nas meias-finais da Taça de Portugal com "muito mérito" do FC Porto, frisa o ex-futebolista Virgílio Lopes, falando numa "época razoável".

"Acho que o Sporting esteve bem, mas um pouco menos arrogante. Há uma arrogância boa que as equipas têm de ter e a deste ano não era tão boa como a de 2020/21. De qualquer forma, a equipa jogava melhor e era mais segura face à época passada, mas o FC Porto foi incontornável", vincou à agência Lusa o ex-defesa dos leões (1976-1988).

O Sporting, com 19 títulos de campeão nacional, acabou a edição 2021/22 da I Liga no segundo lugar, com 85 pontos, a seis do FC Porto, novo detentor do cetro, apesar de ter igualado o registo que lhe permitiu quebrar um "jejum" de 19 anos na última temporada.

"Não me parece que tenha havido uma diferença tão grande entre as equipas a nível de qualidade de jogo, entrega, seriedade e competitividade. Aliás, os clássicos foram muito equilibrados, com o FC Porto a beneficiar de mais alguma experiência do que o Sporting, ao ponto de ter gerido sempre melhor a abordagem aos jogos e as emoções", analisou.

Para lá das derrotas leoninas sofridas com Santa Clara (2-3, à 17.ª ronda) e Braga (1-2, à 19.ª), que "afastaram quase em definitivo" os dois rivais no topo, Virgílio crê que os campeonatos "têm sido muito decididos em jogos grandes", nos quais Sporting e FC Porto se igualaram duas vezes (1-1 em Alvalade, à quinta, e 2-2 no Dragão, à 22.ª).

"O Rúben Amorim resolveu ter dois atletas para cada posição e eu concordo plenamente com isso. Há que estimular a competitividade interna para que, depois, sejamos mais competitivos frente aos adversários. É óbvio que se poderia ter problemas em função da quantidade de jogos, mas o Sporting fez uma boa época, com alguns miúdos que foram aparecendo e ajudando e sem que as lesões estivessem muito presentes", rememorou.

O ex-defesa direito descarta a necessidade de Rúben Amorim "mudar de modelo", após "algumas nuances" ensaiadas em 2021/22, preferindo destacar a versatilidade do "3-4-3", que "permite atacar e defender melhor e pede sempre de laterais de grande qualidade".

"O Sporting necessita de crescer e os atletas vão ficando mais experientes. É continuar a trabalhar como até aqui, fazendo as coisas bem feitas, comunicando bem e fechando o clube. Assim, acredito que para o ano vamos estar novamente a disputar o título, que irá cair para a equipa que tiver um pouco mais de sorte e gerir melhor as emoções", notou.

A "época verdadeiramente má" de Pedro Gonçalves, com 15 golos e 11 assistências nas diferentes provas, depois de ter sido o artilheiro da I Liga em 2020/21, "foi compensada" pela influência do espanhol Pablo Sarabia, visível em 21 tentos e oito passes decisivos.

"O Pablo Sarabia é um jogador muito diferente dos outros. É daqueles que têm um toque especial e, portanto, a adaptação a que modelo ou equipa for será sempre relativamente fácil. Sendo tão bom jogador, aquilo acaba sempre por correr bem. Veremos como é que Pedro Gonçalves vai estar na próxima época e se não tem lesões, pois atrasam e criam sempre grandes problemas, mas creio que esta aposta no Sarabia compensou", avaliou.

Vencedor de um campeonato, duas Taças de Portugal e duas Supertaças, Virgílio Lopes "não está a ver" o extremo inglês Marcus Edwards, contratado em janeiro ao Vitória de Guimarães, a suprir a saída do dianteiro cedido pelos franceses do Paris Saint-Germain.

"Há uma simplicidade no jogo do Pablo Sarabia que o Marcus Edwards não tem de forma nenhuma. É um tipo de jogador completamente diferente. Com outro enquadramento, o Edwards pode fazer um pouco o papel do Sarabia. O Rúben Amorim já nos habituou a coisas fantásticas e boas, e coelhos tirados da cartola, mas parece-me difícil", antecipou.

O ex-diretor-geral da formação do clube e da academia de Alcochete (2013-2018), de 64 anos, diz que há potencial "dentro do plantel ou do clube" para substituir o espanhol, num trio ofensivo que deixou de contar com o argelino Islam Slimani antes do final da época.

Oficializados já estão o extremo ganês Abdul Fatawu Issahaku (ex-Steadfast) e o central neerlandês Jeremiah St. Juste (ex-Mainz), aos quais se deverá juntar o médio japonês Hidemasa Morita, do Santa Clara, com Virgílio à espera de "mais um ou dois jogadores".

"Para se chegar a algum lado e ter sucesso é preciso querer muito mais do que o normal. Há muitos exemplos disso. No Sporting, sucedeu isso com vários atletas que vinham do nada e de baixo, mas queriam muito atingir alguma coisa. Ao lutarem muito por isso em termos pessoais, acabaram por contribuir para o sucesso a nível coletivo", estabeleceu.

Numa época destacada pelos êxitos na Taça da Liga e na Supertaça, uma nova entrada consecutiva na fase de grupos da Liga dos Campeões, prova na qual o Sporting evoluiu em 2021/22 até aos oitavos de final, permitirá "projetar o futuro com mais tranquilidade".

"O planeamento é um pouco mais fácil, porque há menos dúvidas sobre o que é preciso fazer. Por outro lado, as receitas são absolutamente fundamentais para os "grandes". Ir direto permite gerir muito melhor a nível orçamental, face à garantia de que determinada verba vai entrar. Às vezes, permite arriscar, porque, mesmo sendo conservadores, pode-se considerar mais dinheiro em função dos resultados. Tudo são vantagens", finalizou.