"O Sporting deixou de vender capitães para salvar a tesouraria"

"O Sporting deixou de vender capitães para salvar a tesouraria"

Carlos Vieira, administrador da SAD, explica as contas da SAD à Sporting TV

Sobre os resultados: "Balanço positivo. É uma realidade económica comparável com o ano passado, com a diferença significativa de não ter as vendas como as de João Mário e Slimani. Temos vindo a aumentar as receitas operacionais da SAD. Acompanhamos o crescimento económico do País."

Conclusão: "Permite que o Sporting continue a investir no plantel e a ter salários melhores para se bater de igual por igual com os competidores. Também em capacidade de atração de jogadores. A performance está a crescer em termos de receitas. Garantir ativos bem valorizados e bem compensados. O mercado é aberto e muito concorrencial."

Capitães seguros: "O Sporting deixou de vender capitães para salvar questões de tesouraria. Transmitimos que quem quiser um jogador do Sporting, tem de pagar bem. O Sporting tem margem para esperar por boas vendas. Não estamos pressionados para vender em janeiro.

Despesa e melhoria: "Aumento dos gastos operacionais, com pessoal, em linha com o investimento no plantel para ser competitivo nacional e internacionalmente. Observamos a redução do passivo, o aumento do ativo e dos capitais próprios. Há uma melhoria geral da situação financeira. Estamos a tentar limpar o histórico negativo dos últimos 15 anos. Importa é a sustentabilidade financeira e estamos sustentadamente sólidos. Fazemos bons negócios, somos competitivos e sérios.

Receitas e truques: "Antecipação de receitas? São truques de linguagem. Há mecanismos de financiamento e é público que o Sporting é o que tem o factoring mais baixo em relação aos concorrentes. É um instrumento normal. Permite ter financiamento a custo mais baixo. Estamos ao nível de quando entrámos no clube. Aliás, menos. Descemos de duas épocas para época e meia de receitas antecipadas."