Nuno Sousa vai a votos no Sporting sem alianças: "Houve conversas, mas rejeitámos"

Nuno Sousa vai a votos no Sporting sem alianças: "Houve conversas, mas rejeitámos"
Frederico Bártolo

Tópicos

Candidato assumido ao sufrágio de 5 de março diz a O JOGO ter recusado parceria com o "Movimento Hoje e Sempre Sporting".

Nuno Sousa é o único candidato assumido às eleições do Sporting e deverá ir a eleições a "solo". O JOGO contactou o gestor, de 45 anos, que revelou que o "Movimento Hoje e Sempre Sporting" encetou conversas para uma possível aliança no sufrágio de 5 de março, mas que essas negociações não chegaram a bom porto. "Houve conversas nesse sentido, mas rejeitámos. Não sei que tipo de propostas têm, mas neste momento vejo com dificuldade [uma parceria], só se houvesse mesmo uma aproximação com ideias claras", explica ao nosso jornal enquanto procura assinaturas para formalizar a ida a votos.

"Falamos, damo-nos bem, mas não houve acordo porque eu e a minha equipa estamos nisto há um ano e dez meses. Houve muito tempo para quem quisesse dar esse passo. Estou aberto ao diálogo, mas não temos tido outra aproximação", detalha acerca da decisão de avançar para a presidência, tomada em maio de 2020.

Quanto ao acima mencionado movimento, encabeçado por Afonso Pinto Coelho, Vítor Afonso e Roberto Carvalho, ainda falta ser conhecido um eventual cabeça de lista. Para o "Movimento Hoje e Sempre Sporting" a recompra dos VMOC e garantir que o Sporting se mantém acionista principal da SAD era um ponto de ordem, como para Nuno Sousa. No entanto isso não foi suficiente para uma aliança.
Já Ricardo Oliveira, gestor e presidente da federação de Padel, reeleito em dezembro, é um nome bem posicionado para concorrer à liderança do clube. O empresário está a definir programa e lista para se candidatar.