Nuno Santos e Taremi são desejos do Sporting, mas exigem disparos de longo alcance

Nuno Santos e Taremi são desejos do Sporting, mas exigem disparos de longo alcance
André Veloso Gomes/Bruno Fernandes/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Leões fizeram proposta baixa por Nuno Santos e também sonham com Taremi, mas ambos exigem engenharia financeira em altura difícil para a SAD.

Nuno Santos e Mehdi Taremi, extremo de pé esquerdo e ponta de lança do Rio Ave, respetivamente, são dois jogadores que o Sporting pretende para a próxima época, do agrado do seu técnico Rúben Amorim, mas ambos alvos que exigem disparos de longo alcance por parte da SAD, que acumula dificuldades de tesouraria impeditivas de realizar negócios avultados.

Mas os casos, mesmo assim, são distintos. E comecemos por Nuno Santos, por quem o Sporting apresentou uma proposta ao Rio Ave para a aquisição dos direitos económicos e desportivos do atleta, cujo valor foi considerado "muito baixo", conforme deram conta a O JOGO fontes próximas do processo, envolvendo a cedência em definitivo de dois jogadores, Francisco Geraldes e Gelson Dala.

Nuno Santos, formado no FC Porto, rival do Sporting, e também no Benfica, outro dos concorrentes dos leões, tem as características que agradam - e muito - a Amorim, seria mesmo a peça indicada para poder dar fulgor à asa direita, pois o técnico gosta de canhotos que atuem em asas contrárias. Aos 25 anos, está em fase ascendente na carreira e em 2019/20 foi dono e senhor de sete assistências e cinco golos nos 38 jogos oficiais que realizou. Tem, também, contrato até 2023 e à porta do Rio Ave, além do Sporting, já vieram bater outros clubes, bem melhor apetrechados em termos financeiros que a SAD comandada por Frederico Varandas. Há, ainda no meio disto, uma cláusula, apurou O JOGO, que obriga os vila-condenses a pagarem 5 milhões de euros (M€) ao Benfica, ex-clube de Nuno Santos, pelo que a operação - a concretizar-se - nunca poderia ser abaixo destes valores. Aliás, o Rio Ave pretende mesmo 10 M€ pelo jogador, que agrada ao FC Porto, emblema que anteriormente já tinha manifestado interesse no atleta.

Já o avançado, iraniano, de 28 anos, que na época que ontem terminou até "sacou" três penáltis em Alvalade ao Sporting, todos irrepreensivelmente convertidos para um triunfo dos forasteiros, por 3-2, custa nem mais nem menos que 10 M€. É este o valor que os vila-condenses pedem - e pediam, em janeiro, quando a SAD perguntou em que condições o podia segurar - para venderem os 60% dos direitos económicos do futebolista, dado que o remanescente pertence ao próprio Taremi e sua empresa de agenciamento. A acrescentar a isto, a forte concorrência, não só externa, de vários emblemas ingleses, mas também interna, uma vez que o artilheiro do Rio Ave já foi associado ao Benfica, FC Porto, e mais recentemente ao Braga, este com argumentos financeiros e técnicos, por via da entrada de Carlos Carvalhal no clube, para disputar o internacional iraniano. Mesmo tendo apenas mais um ano de contrato com o jogador, o Rio Ave não vai facilitar nos números neste defeso, até porque há sempre a possibilidade... de renovação.

Numa altura em que vê clubes - como o Bétis, por Feddal - a exigirem garantias bancárias para procederem à conclusão de negócios a preços residuais, como é este, de 3 milhões de euros, o Sporting tenta executar outras estratégias para, pelo menos, ir à luta por quem quer no plantel de 2020/21, neste caso tentando incluir jogadores que possam interessar aos clubes vendedores - exemplo prático disso é o médio Francisco Geraldes e Gelson Dala (ver caixa). Frederico Varandas já assumiu que para ser candidato a juventude precisa de experiência ao lado, mas neste caso a "tarimba" e o conhecimento do futebol português, coisas que Nuno Santos e Taremi têm, paga-se caro pela concorrência, disposta a investir valores que de momento o Sporting não tem em mãos, pois também a sua administração aguarda a entrada de verbas importantes, já garantidas, como as de Bruno Fernandes ou até de Matheus Pereira.

Francisco Geraldes e Dala propostos pelo canhoto
Francisco Geraldes, médio que termina contrato com o Sporting na próxima época e que O JOGO noticiou em primeira mão que não faz parte dos planos da SAD, é um dos futebolistas que a administração liderada por Frederico Varandas incluiu nestas conversas com o Rio Ave, tal como Gelson Dala, mais no que ao extremo Nuno Santos diz respeito, uma vez que implicaria um investimento menor do que Taremi. O angolona jogou no clube na última época.