Nove meses depois, Sporting regressa ao palco onde tudo mudou

Nove meses depois, Sporting regressa ao palco onde tudo mudou
Bruno Fernandes

Tópicos

Da equipa que Silas, já de saída, montou para a 23.ª jornada do campeonato, pouco sobra e a ideia é hoje completamente distinta. Neto e Coates fizeram dupla na defesa; Jovane e Sporar titulares à frente

O Sporting regressa no sábado ao palco onde... tudo mudou: sim, foi em Famalicão, a 3 de março, que os leões realizaram o seu último jogo antes da chegada de Rúben Amorim, então com Silas ao comando de uma formação que acumulava maus resultados, recém-eliminada da Liga Europa e que contra a equipa de João Pedro Sousa acabou por acumular a oitava derrota (1-3) no campeonato.

Passados nove meses e dois dias, os verdes e brancos visitam um terreno difícil, mas desta vez embalados na liderança da última prova nomeada, com um futebol convincente e que, até ver, não tem dado grande hipótese à concorrência - é caso para dizer que o período de gestação com o novo técnico teve os resultados esperados.

Deste passado não assim tão distante, sobram três (ou quatro) titulares: Neto e Coates atrás; Sporar e Jovane à frente - a última dupla joga, agora, à vez no centro do ataque. Sobra isso e... pouco mais, até porque mudou a ideia de jogo e neste momento o leão, mesmo que o discurso do seu técnico peça calma e pragmatismo, vai-se assumindo como candidato ao título de campeão, embalado por um percurso quase imaculado na I Liga, onde em oito jogos venceu sete e só empatou um, contra o FC Porto.

Neste dia foi Silas a "anunciar" Amorim, garantindo mais tarde que só foi a jogo para que o leão não ficasse sem técnico.

Um pleno que custou seis pontos

Época 2019/20 para esquecer no que diz respeito aos duelos do Sporting com o Famalicão: é que antes deste 3-1 o leão já tinha sido derrotado pela equipa de João Pedro Sousa no campeonato, claudicando em Alvalade pela diferença mínima (1-2) na primeira volta, logo na jornada 6. É, também, curioso que este desaire tenha ajudado a precipitar a saída de outro treinador, Leonel Pontes, que na altura estava a segurar a equipa de forma interina, mas à experiência. Foi o terceiro de um total de quatro encontros - empatou o primeiro e perdeu três.