Neto e os efeitos de paragem inesperada: "Começo a sentir que quero esticar a carreira"

Neto e os efeitos de paragem inesperada: "Começo a sentir que quero esticar a carreira"

Paragem forçada leva o central do Sporting, de 31 anos, a repensar o futuro

Luís Neto tem 31 anos e assinou pelo Sporting até 2022, mas pode demorar ainda mais a colocar um ponto final na carreira. Pelo menos essa é a vontade com que está a ficar devido à pausa na atividade para combater o coronavírus em Portugal. Em entrevista à Sporting TV, Neto diz que esta paragem lhe faz repensar o futuro.

Sentimento e perspetiva de regresso:

"Eu sempre valorizei a minha carreira: adoro jogar, adoro treinar, adoro competir, faz parte de estar dentro... O que acredito é que o que estamos a sentir é o imaginar que já não jogávamos... Já sinto há muito tempo saudades da Academia, das pessoas e do espírito do local de trabalho; tendo esta pausa, começo a pensar que poderá ser um sentimento parecido com aquilo que é acabar a carreira, ter aquele um, dois anos sem fazer nada, opcionais. Começo a pensar que quero esticar a carreira um par de anos, porque a saudade está a invadir... Dizemos: estou cansado disto. Mas depois de um mês de confinamento, como se fosse uma pausa grande, a saudade vem. Vou tentar desfrutar ao máximo."

Treinar em casa:

"Apesar de tentarmos atenuar com o treino virtual - as tecnologias têm ajudado, apesar de serem criticadas por muita gente - temos de tentar que não se sinta de maneira mais forte. Claramente que não chega para compensar tudo, porém é uma maneira de o espírito de grupo não se perder. Neste momento estamos de férias, mas cada um tem o seu plano. A situação é assim, ninguém se está a queixar muito, porque neste momento não é esse o caminho, temos de aceitar porque é o decretado."

Balanço do regresso a Portugal:

"Quando estive fora, sempre pensei que nunca precisaria de adaptação ao futebol português, mas fui sentindo algumas diferenças... Cheguei depois de um ano em que se foi mudando algumas coisas, em que nem sempre conseguimos os melhores resultados, mas de um modo geral estou muito feliz pela oportunidade que me foi dada e presencio de perto, todos os dias, a grandeza do Sporting, um clube que já me habituei a gostar - e acho que se tem notado."

Os colegas da defesa:
"Temos quatro centrais que emprestam à equipa qualidades diferentes. Mas o mais importante, mais do que ter um setor forte a nível defensivo, é depois ter um setor forte a nível de médios e de ataque; depois que consigamos trabalhar como unidade. Se cada setor der o seu melhor, se cada um tiver as suas capacidades no máximo, o Sporting será cada vez mais forte. Temos muita margem para crescer como equipa. Mas sem dúvida que Mathieu, Coates e Tiago Ilori, acrescentando o meu nome... Temos um setor defensivo fortíssimo."