Negócio Feddal: como o Sporting quer pagar os três milhões de euros

Negócio Feddal: como o Sporting quer pagar os três milhões de euros
Bruno Fernandes/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Bétis quis meter pagamento ou direitos de William ao barulho, SAD recusou.

As negociações entre o Sporting e o Bétis de Sevilha para a transferência do internacional marroquino Feddal prosseguem, com os leões, segundo O JOGO apurou, a pretenderem pagar os cerca de três milhões de euros estabelecidos pelo jogador nos próximos dois anos.

Porém, aqui, como o nosso jornal oportunamente deu conta, tem residido grande parte do bloqueio de um negócio que em Alvalade esperava-se que estivesse concluído nesta altura. Os dirigentes do emblema espanhol desconfiam da liquidez e capacidade da SAD liderada por Frederico Varandas em executar o pagamento nos prazos acordados, precisamente em três tranches, uma em janeiro próximo, outra em julho de 2021 e, finalmente, a última em janeiro de 2022, daí que tenham exigido a colocação de garantias bancárias e a colocação de uma cláusula indemnizatória em caso de incumprimento do clube leoniono.

Os leões, sabe O JOGO, recusaram de imediato esses pressupostos, concretamente a normativa punitiva e deixaram o negócio. O Bétis, que também não tem interesse desportivo em Feddal para a próxima temporada, colocou então outra possibilidade de negócio em cima da mesa. Concretamente que fosse descontado parte do pagamento que de William Carvalho - rumou ao clube andaluz em julho de 2018, tendo então sido estabelecido o pagamento de 16 M€, além de mais 4 M€ por objetivos, ficando o Sporting com 25% de uma futura transferência -, algo que os leões também inviabilizaram, já que necessitam de dinheiro fresco. Também outra variante foi colocada em consideração, precisamente que a referida percentagem dos direitos sobre uma futura transferência fosse menor por parte do Sporting, hipótese também ela recusada.
Agora, perante todo este cenário, Sporting e Bétis continuam certos de que é possível chegar a um acordo pelo jogador que é visto como uma mais-valia para o elenco de Rúben Amorim, sobretudo pela capacidade de encaixar no lado esquerdo de uma defesa que atua com três defesas-centrais, mas também pela experiência que oferece.

A saída de Mathieu, atleta que jogava precisamente nesse posto, assim como a aposta em jovens atletas colocam maiores desafios aos leões, que olham para Feddal como um elemento capaz de atenuar os dois fatores. Certo é que as negociações prosseguem, acreditando os dirigentes leoninos que será possível concluir o processo antes do regresso da equipa ao trabalho, agendado para o próximo dia 17.