Madeira Rodrigues desiste da auditoria e espera pelo Ministério Público

Madeira Rodrigues desiste da auditoria e espera pelo Ministério Público

Candidato derrotado nas últimas eleições explicou os motivos que o levam a desistir da auditoria.

Pedro Madeira Rodrigues, candidato derrotado nas últimas eleições do Sporting, desistiu de avançar com a auditoria "à aquisição e alienação de direitos económicos e desportivos de alguns profissionais de futebol", segundo informou numa carta enviada ao presidente do Conselho Fiscal ao clube.

"Os custos internos relativos ao tempo em que os colaboradores do Sporting teriam de dispensar", estão na base da decisão de Madeira Rodrigues, que os rejeita pagar.

"Esta sua decisão acaba por inviabilizar o pedido de auditoria forense que fiz e, pela minha parte, teremos que nos limitar a esperar pelos resultados, habitualmente demorados, da investigação do Ministério Público que está a decorrer", informa.

Eis a carta na íntegra:

"Exmo. Sr Presidente do Conselho Fiscal da Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD agradeço a sua última resposta ao meu pedido de auditoria à aquisição e alienação de direitos económicos e desportivos de alguns profissionais de futebol.

Em primeiro lugar, gostaria de salientar que fiquei positivamente surpreendido por terem sido aceites alguns dos meus pedidos para que esta auditoria forense tivesse alguma possibilidade de êxito, nomeadamente a questão de ser facilitado o acesso às contas bancárias dos participantes nos circuitos financeiros envolvidos nas transferências, embora não tenha ficado com a certeza que, a pedido do clube, por exemplo os agentes João Pinheiro, José Fouto e Costa Aguiar tenham já pré-aceite esta minha condição.

Agradeço-lhe ainda os seus esclarecimentos que vêem repor a verdade, uma vez que confirma que, ao contrário do que o Presidente da Direcção publicou numa linha dum post do seu Facebook do passado dia 27 e que só posso atribuir à sua já reconhecida ignorância no que concerne a temas relacionados com auditorias e leis, não pedi 'condições acima da lei'.

Em segundo lugar, com muita pena minha, insiste na questão de ficarem a meu cargo também os custos internos relativos ao tempo que os colaboradores do Sporting terão que dispensar nesta auditoria. Como já tinha dito e volto a repetir, considero esta questão inaceitável porque entendo que o clube, a SAD e o respectivo presidente da Direcção seriam, sem qualquer sombra de dúvida, os principais beneficiados desta auditoria. Importa ainda referir que, para além de tudo o mais, os eventuais custos acrescidos escapam completamente ao meu controlo.

Assim, esta sua decisão acaba por inviabilizar o pedido de auditoria forense que fiz e, pela minha parte, teremos que nos limitar a esperar pelos resultados, habitualmente demorados, da investigação do Ministério Público que está a decorrer. Enquanto essa investigação não der frutos a dúvida sobre a honestidade do Presidente do Sporting vai-se manter uma vez que não é possível responder de uma forma rápida e cabal à pergunta "desviou verbas do nosso clube?". Haver dúvidas desta natureza sobre a integridade do presidente do Sporting é desprestigiante para o nosso clube que sempre se orgulhou de se nortear por elevados princípios e valores.
Aproveito ainda esta carta para um terceiro ponto que me parece pertinente. Na sua última missiva, para além de me dar a conhecer os termos em que aceitaria a auditoria, mostrou-se preocupado com a credibilidade da instituição pelo facto de eu ter tornado públicas as minhas cartas relacionadas com este processo. Lembro-lhe que é exactamente por esta questão das dúvidas terem surgido publicamente que acredito que devem ser publicitadas iniciativas para esclarecer esta situação.

Uma última nota. Fez questão de recordar, na última carta que me dirigiu, que o Sporting Clube de Portugal tem 111 anos, aliás, foi até assim que esta começou. Não preciso que me lembrem a idade do meu clube. Agradeço a sua preocupação, mas não aceito nem lições suas de história sobre o Sporting e menos ainda de Sportinguismo. Relembro-lhe eu que sou sócio há mais de 35 anos, antigo atleta da formação de futebol do clube e ainda recentemente, por exemplo, escrevi a história do clube para ser adaptada para teatro, o que até me valeu um prémio Stromp que muito me orgulha. Mais ainda, porque a memória por vezes é curta, recordo-lhe que o ano passado sacrifiquei, e diga-se, sem qualquer arrependimento, a minha vida pessoal e o meu conforto profissional para mostrar que existia alternativa à actual Direcção. Ao contrário de outros sei bem que que o nosso clube não foi fundado há 5 anos.

Saudações Leoninas
Pedro Madeira Rodrigues Sócio 10668"