José Peseiro: "Fui maltratado duas vezes no Sporting"

José Peseiro: "Fui maltratado duas vezes no Sporting"

Treinador não esconde alguma desilusão, meses depois de ter sido despedido por Frederico Varandas

José Peseiro abordou esta segunda-feira a saída do Sporting. O treinador português, despedido no primeiro dia de novembro, abordou o assunto. "O que faz menos [ruido] é o Sporting e até tenho alguma angústia, porque foi onde fui maltratado duas vezes, ou menos bem tratado, mas é o mais soft neste tipo de guerra que o nosso futebol tem. À exceção de quando era Bruno de Carvalho", afirmou, à margem de uma conferência organizada pela Rádio Renascença, em Lisboa, e quando falava sobre o ambiente no futebol português.

"A decisão do presidente em rescindir comigo é uma escolha dele. Tive de aceitar. Mas sei o trabalho que fizemos. O próprio Keizer, penso, disse que o treinador anterior fez um excelente trabalho. Pena alguns não terem assumido. Mas basta o treinador e o capitão terem dito, que fico satisfeito", recordou, continuando com as dificuldades que encontrou no regresso a Alvalade.

"Sem jogadores, sem tempo e com muita gente contra um processo, contra jogadores que regressaram. Muitos queriam que os jogadores não voltassem, agora aplaudem. Nem pré-época tivemos em condições, fizemos equipa em cima, com falta de tempo, esperando que os jogadores que estavam em processo de rescisão pudessem voltar, porque era um esforço diário da minha parte e da Comissão de Gestão tentar que os jogadores regressassem. Perdemos tempo a procurar outras soluções. As soluções que encontramos, dentro daquilo que foi o tempo, foram excelentes. Não fomos atrás de um mercado que nos pressionava para contratar. Recebemos críticas por não ir buscar este ou aquele para um plantel que estava cheio de jogadores. Só quem estava dentro de clube sabe o que se passou", descreveu, sem esquecer o dia da apresentação.

"Havia tarjas contra os jogadores. Alguns regressaram mas diziam 'mister, não quero ficar aqui, quero ir embora'. A apresentação foi terrível, fomos todos assobiados, especialmente a Comissão de Gestão e eu. Fizemos o trabalho que foi possível. Podia ter ouvido muitos empresários e contratar 10 ou 20 jogadores, mas entendi que era melhor assim. Dentro de campo, fizemos um trabalho excelente e deixámos o clube em condições para fazer uma época boa. Diziam que tínhamos feito uma equipa horrível, com jogadores muito maus. Essas pessoas podem por a viola no saco e dizer que afinal fizemos alguma coisa de jeito", disse José Peseiro.