João Mário aceita baixar salário, mas agora há uma nova ameaça para o Sporting

João Mário aceita baixar salário, mas agora há uma nova ameaça para o Sporting
Sérgio André

Tópicos

Responsáveis leoninos procuram chegar a um acordo pelo internacional português, contando com a vontade deste em manter-se no clube. Mas João Mário baixa o salário apenas... ligeiramente

O Villarreal passou a ser a principal ameaça aos intentos do Sporting em assegurar a contratação de João Mário, que continua a preferir prosseguir a carreira no Sporting, porém, mediante determinadas condições salariais que a administração liderada por Frederico Varandas poderá não conseguir alcançar.

Em causa, segundo O JOGO apurou, está, por um lado, a intransigência do Inter de Milão em fazer mais cedências em termos financeiros, por outro, as questões salariais a propor a João Mário, mesmo aproveitando o programa "Regressar" e os descontos fiscais que pressupõe para quem volte a exercer a sua atividade profissional em Portugal, depois de ter estado emigrado.

Desde logo o Inter de Milão, nas recentes negociações intermediadas pelo agente do atleta, Federico Pastorello, fez saber que não irá baixar dos 7,5 milhões de euros (M€) pela transferência do internacional português, quando este está prestes a entrar no último ano de contrato. Os dirigentes do Inter de Milão começaram por pedir 10 M€ na primeira abordagem leonina, mas percebendo o desejo do atleta aceitaram reduzir as exigências - ainda que a entrada de outros emblemas na corrida pelo concurso do jogador tenha dado outro poder negocial ao clube de Milão, que, em 2016, adquiriu o jogador por 40 M€, além de 5 M€ por objetivos.

É que o Inter de Milão, carente de dinheiro, viu também o Nice e o Villarreal como pretendentes capazes de suportar o que o Sporting não quer em termos de transferência, isto sem falar dos vencimentos.

João Mário, em Alvalade, recebe um milhão euros limpos por temporada dos cerca de 3 M€ que aufere na totalidade - o remanescente é suportado pelo Inter de Milão, ao abrigo do acordo de cedência por empréstimo - e o Sporting não tem capacidade financeira para atingir, por exemplo, metade desses honorários, quando o teto salarial é o que o jogador recebe presentemente.

De acordo com informações recolhidas pelo nosso jornal, João Mário até aceita baixar o ordenado, mas não de modo a perder dois terços do vencimento que tem presentemente, mesmo que o Sporting ofereça-lhe um contrato de longa duração.

É aqui que, sobretudo, o Villarreal assume-se como um competidor a ter em conta. É que além da capacidade financeira para suportar os 7,5 M€ e o vencimento na íntegra, o vencedor da última edição da Liga Europa estará igualmente na fase de grupos da próxima edição da Liga dos Campeões, além de atuar num campeonato atrativo em termos competitivos.

As negociações prosseguem, mas o cenário já esteve mais desanuviado para os lados de Alvalade no que ao acordo com João Mário diz respeito.