Sporting anuncia lucro de 24,7 milhões de euros no primeiro trimestre

Sporting anuncia lucro de 24,7 milhões de euros no primeiro trimestre

Em comparação com igual período do ano passado, os lucros do Sporting registaram uma quebra de 60,7%

O Sporting comunicou à CMVM que fechou o primeiro trimestre de 2017/18 (entre julho e setembro deste ano) com um lucro de 24, 7 milhões de euros.

"A Sporting SAD fechou o primeiro trimestre da época desportiva de 2017/18 com um volume de negócios de 61.821 milhares de euros, situação esta suportada pela participação na fase de grupos da UEFA Champions League, após passagem da eliminatória de play-off e pela venda de direitos desportivos, nomeadamente do seu capitão Adrien Silva. Este volume de negócios permitiu atingir um resultado positivo no período de 24.748 milhares de euros", é possível ler-se no comunicado enviado pelos leões.

No entanto, o clube de Alvalade regista uma quebra de 60,7% face ao mesmo período do ano passado, uma vez que a formação verde e branca obteve um lucro de 62,9 milhões de euros no primeiro trimestre de 2016/17.

Nas contas apresentadas esta segunda-feira, o Sporting destaca um volume de negócios de 61,8 ME, suportado pela participação no play-off e na fase de grupos da Liga dos Campeões e pela venda de direitos desportivos, nomeadamente do médio Adrien Silva ao Leicester por 20 ME (mais 5 ME em objetivos variáveis), que contribuíram para o resultado positivo.

A vitória no play-off significou um encaixe de 2 ME e a presença na primeira fase da Liga dos Campeões representou uma entrada de 12,7 ME. As contas refletem ainda o triunfo sobre o Olympiacos na primeira jornada, que garantiu aos leões 1,5 ME.

O Sporting registou ainda um aumento dos proveitos operacionais face ao último período homólogo - de 4,1 para 4,9 ME - justificado também pela segunda presença seguida na fase de grupos da Champions e consequente crescimento nas receitas de bilheteira e renovação de "gameboxes" (bilhetes anuais).

No campo dos custos, o Sporting destaca três contratações, entre as quais a do avançado argentino Marcos Acuña, um investimento de quase 10,6 ME que representa a mais cara aquisição da presente época e a segunda maior de sempre do clube de Lisboa, atrás da do holandês Bas Dost.

O defesa central francês Jeremy Mathieu, proveniente do Barcelona como jogador livre, acarretou quatro ME de custos para o Sporting - três em prémio de assinatura e um em comissão -, enquanto o lateral direito macedónio Stefan Ristovski supôs um gasto de 2,5 ME.

Nos gastos operacionais sem incluir transações de jogadores, o Sporting registou quase 26,9 ME, um aumento 2,3 ME (10%) face ao primeiro trimestre de 2016/17, verificando-se um aumento salarial, para 19,13 ME. Destes, 1,38 ME dizem respeito a prémios não regulares e 800 mil correspondem a salários de jogadores que rescindiram contrato no primeiro trimestre.

O Sporting sublinha ainda a manutenção de capitais próprios positivos, que a 30 de setembro de se cifravam em perto de 30,4 ME.

Em relação ao ativo de 17,1 ME que existia a 30 de junho de 2017 relativo a receitas da UEFA retidas devido ao diferendo com a Doyen, 11 ME foram pagos àquele fundo de investimento e os restantes devolvidos ao Sporting.