Regulamento disciplinar poderia castigar Bruno de Carvalho

Regulamento disciplinar poderia castigar Bruno de Carvalho
Duarte Tornesi/Rafael Toucedo/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Afirmações recentes do líder seriam puníveis caso o documento que quer aprovar já estivesse em vigor

Têm sido constantes as intervenções públicas de Bruno de Carvalho, o qual, na qualidade de presidente do Sporting, tem vindo a "desafiar" o próprio regulamento disciplinar que pretende ver aprovado pelos associados na assembleia geral do próximo dia 17. Em causa estão as sucessivas declarações, aos meios de comunicação social, que tem proferido, as quais podem configurar infrações ao novo documento que será uma ferramenta indispensável ao Conselho Fiscal e Disciplinar para "punir os sócios que difamam e ofendem os dirigentes" leoninos, isto segundo as palavras do próprio Bruno de Carvalho.

Ora, recuperando apenas as afirmações de Bruno de Carvalho depois da publicação a meio de janeiro da convocatória para a última assembleia geral - colocando de parte as várias trocas de acusações que têm sido feitas pelo dirigente, bem como por outros associados em conversas em grupos privados e blogues nas redes sociais e, fundamentalmente, na última e quente reunião magna, que terminou de forma abrupta -, o dirigente máximo coleciona acusações que incorrem, por exemplo, numa eventual violação do artigo 3.º, alínea c) do regulamento disciplinar. No dito escrito, "proferir expressões ou cometer actos, dentro ou fora das instalações do SCP, ofensivos da moral pública" constituem infração, motivando o enquadramento legal de frases como as que Bruno Carvalho proferiu aludindo a sócios e não só: "Qualquer monte de esterco é livre de fazer denúncias e o DIAP, por lei, tem de investigar... Tristeza de gentalha."

Na semântica utilizada pelo dirigente máximo dos leões, expressões como "assim já não terás de lamber o rabo cordialmente a JJ", dirigindo-se a Rodolfo Reis, também suscitam dúvidas, assim como um "espero que o cabrão que passou o convite se ...oda", quando viu a mensagem a anunciar a festa do seu aniversário a circular na internet. Isto se forem excluídas outras alíneas como a e), de atentado à dignidade humana de uma pessoa ou grupo.