O gestor que namorou em Alvalade

Ana Proença

Tópicos

Pertenceu à Juve Leo e criou, com tenra idade, a sua própria empresa de construção civil. Adora cinema e comer sushi; e ajuda crianças através da Fundação Aragão Pinto.

Foi precisamente no Estádio José Alvalade que conheceu Cláudia, a esposa com a qual vai comer sushi religiosamente todas as semanas. É também a companheira de sempre para as longas sessões de cinema que faz nos tempos livres. Amante da Sétima Arte, Bruno de Carvalho, 41 anos, chega a ver dois filmes seguidos e tem como favorito "O Leão da Estrela" (1947), onde um sportinguista ferrenho vai ao Porto com o pretexto de ver a sua equipa jogar com os azuis e brancos, mas, no fundo, o que quer é casar a filha com um rapaz de famílias ricas.

Cinema e esposa à parte, Bruno de Carvalho - pai de Ana Catarina, de 9 anos - deseja ser presidente do Sporting desde os 6 anos, quando foi ao velho Estádio José Alvalade e chorou de emoção. O avô, Eduardo Azevedo, já lhe transmitira a paixão pelo clube, lendo-lhe capítulos inteiros do livro que escrevera - "A história e vida do Sporting". De tal modo que o passatempo preferido do pequeno Bruno de Carvalho era dizer, de memória, aos irmãos mais velhos, os nomes de todos os jogadores do plantel leonino.

Além do pai, Rui Carvalho, um engenheiro civil atualmente com 74 anos, também sportinguista dedicado, outra das figuras que marcaram profundamente o crescimento do candidato da Lista B foi o tio-avô Pinheiro de Azevedo, mais conhecido por Almirante Sem Medo, elemento integrante da Junta de Salvação Nacional e primeiro-ministro do VI Governo Provisório, entre 1975 e 1976.

Natural de Lourenço Marques, atual Maputo, Moçambique, veio para Lisboa com apenas dois anos de idade, mas nunca deixou de ir à sua terra natal, onde de resto foi recentemente para procurar parceiros e assinar um protocolo com o governo local, em nome da Fundação Aragão Pinto, que criou em março de 2009 e à qual se tem dedicado, nos últimos anos, de corpo e alma.

A instituição de solidariedade social - que homenageia o antigo dirigente leonino com o mesmo nome - tem como objetivo a integração social de crianças carenciadas, através da prática do desporto, chegando atualmente a mais de cinco mil crianças, de acordo com os dados da própria fundação.

Licenciado em gestão pelo Instituto Superior de Gestão e mestrado em gestão do desporto de organizações desportiva, pela Faculdade de Motricidade Humana, Bruno de Carvalho começou cedo a trabalhar na área da construção civil. Aos 19 anos já era diretor comercial de uma empresa do ramo e rapidamente investiu no seu próprio negócio, sendo proprietário, à passagem dos 30 anos, de uma empresa com perto de 600 trabalhadores e obras em Lisboa no valor de 50 milhões de euros. Acabou por abandonar o ramo em 2008, tendo ainda experiência no sector da importação/exportação e consultoria estratégica.

Atualmente tem dificuldade em arranjar tempo para a prática desportiva - fica-se por alguns cuidados com a alimentação -, mas jogou futebol, râguebi e fez luta livre durante a juventude. Foi membro da claque Juventude Leonina entre 1985 e 1990.n